Lucas Landau/Reuters
Lucas Landau/Reuters

Paes descarta compra direta da Coronavac; Rio seguirá calendário nacional de vacinação

Prefeito chegou a anunciar termo de compromisso para a compra de 3,2 milhões de doses do imunizante produzido pelo Instituto Butantã em parceria com o laboratório chinês Sinovac nessa sexta-feira, 8, mas negociação não foi efetivada

Daniela Amorim, Rio de Janeiro

09 de janeiro de 2021 | 15h12

RIO - O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (DEM), descartou neste sábado, 9, que a cidade inicie a vacinação contra a covid-19 antes da campanha nacional de imunização, a ser conduzida pelo Ministério da Saúde.

Nessa sexta-feira, 8, Paes chegou a anunciar que havia um termo de compromisso da prefeitura para a compra de 3,2 milhões de doses da vacina Coronavac, produzida pelo Instituto Butantã em parceria com o laboratório chinês Sinovac. No entanto, após uma reunião ontem entre o secretário municipal de Saúde, Daniel Soranz, e o Butantã, ficou determinado que a compra não seria efetivada.

“A informação que ele (Soranz) me deu é de que foi assinado contrato com o governo federal na questão de quase 50 milhões de doses, e que a vacinação vai começar simultaneamente em todo o Brasil, a partir do Plano Nacional de Imunização (PNI). O que é uma fantástica notícia. Essa é a notícia que todos os brasileiros sempre esperaram, de que a gente não tivesse cidades disputando a aquisição dessa ou daquela vacina. Então a gente agora aguarda a data a ser anunciada pelo Ministério da Saúde do Plano Nacional de Imunização, imaginando que isso deva acontecer, segundo as informações que eu tenho, pelo menos até a última semana de janeiro”, declarou Eduardo Paes a jornalistas durante agenda neste sábado, na zona oeste do Rio.

O prefeito inaugurou o primeiro de dez Memoriais da Luta da Juventude no enfrentamento à Covid-19, na Cidade de Deus. Na ocasião, uma roda de conversa entre as jovens lideranças da favela e os representantes da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) abordou a necessidade de fortalecer a permanência das ações de combate e enfrentamento da pandemia. Até 15 de janeiro, serão inaugurados memoriais em comunidades da Maré, Vila Kennedy, Jacarezinho, Alemão, Rocinha, Providência, Bancários e em Santa Cruz.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.