País faz menos mamografias e Papanicolau

Resultado é criticado até dentro do governo e vai na contramão de plano do governo Dilma

LÍGIA FORMENTI / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

03 Novembro 2013 | 02h11

O Sistema Único de Saúde (SUS) registrou queda no número de mamografias e de exames para diagnóstico de câncer de colo de útero, o Papanicolau, no primeiro semestre deste ano, em comparação com o mesmo período de 2012. O resultado vai na contramão do plano apresentado há mais de dois anos pela presidente Dilma Rousseff para prevenção, diagnóstico e tratamento das doenças.

Nenhum Estado atingiu até agora a meta de realizar exames em 65% da população feminina na faixa etária entre 50 e 69 anos, considerada de maior risco. A expectativa era a de que a marca fosse atingida até 2014. Diante do cenário atual, o Ministério da Saúde refaz os cálculos e admite que o objetivo será atingido somente em 2015.

"Eticamente, o correto seria ofertar mamografia para 100% das mulheres com idade considerada de risco", criticou o secretário de Gestão Participativa da Saúde do Ministério da Saúde, Luiz Odorico Monteiro de Andrade, em uma reunião sobre o assunto. "É preciso deixar esses dados sempre à mostra, para ficarmos indignados."

De janeiro a julho, 1,89 milhão de mamografias foram feitas no País, ante 1,94 milhão em 2012. Quando se analisa a faixa etária considerada de maior risco, os números praticamente não mudam: 433 exames a mais do que no ano passado.

Durante a divulgação da campanha Outubro Rosa, que alerta sobre a necessidade do diagnóstico do câncer de mama, a pasta omitiu a tendência de queda. Preferiu comemorar a comparação dos dados de 2010 a 2012, com um aumento de 37% nos exames. "Somente diante da realidade é possível identificar erros, corrigir caminhos", alertou o presidente da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica, Evânio Garcia Wiernann.

Ao Estado, Patrícia Chueri, da Coordenação Geral de Atenção às Pessoas com Doenças Crônicas do Ministério da Saúde, garantiu que os indicadores não preocupam. "Tradicionalmente, o primeiro semestre apresenta uma produção menor." Mas, quando apresentou as estatísticas a gestores, Patrícia criticou os resultados.

Entre 2011 e 2012, o número de exames para diagnóstico de câncer de colo de útero caiu 4,6%: passou de 11,4 milhões para 10,9 milhões. A coordenadora argumentou que, graças ao melhor desempenho de áreas com maior concentração populacional, o Brasil vai atingir até 2014 a meta de realizar o exame de Papanicolau em 75% das mulheres entre 25 e 64 anos.

Uma das principais críticas feitas por Patrícia na reunião foi sobre a produção do Papanicolau. Foram coletadas 8,8 milhões de amostras para exame, mas apenas 4,7 milhões (53%) foram analisadas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.