Pais pressionam por melhor acordo em caso de leite adulterado

550 pais de crianças que adoecerem na China assinaram petição com diversas demandas entregue ao governo

AP,

23 de janeiro de 2009 | 09h29

Pais das crianças chinesas que ficaram doentes devido ao leite adulterado estão pressionando o governo por um melhor acordo e maior uma maior compensação de seus danos nesta sexta-feira, 23, uma dia depois de a corte sentenciar duas pessoas à morte e 19 outras a longos períodos de prisão devido ao caso.  Veja também: China condena dois envolvidos em adulteração de leite à morte Leite em pó contaminado com melamina foi culpado pela morte de pelo menos seis crianças e pela grave situação de saúde de pelo menos outras 300 mil, que apresentaram pedras nos rins e outros problemas.  Zhao Lianhai, que reuniu as famílias em um site na internet que criou com detalhes da crise, disse nesta sexta-feira, 23, que ele e três outros pais estavam apresentando uma petição ao Ministério da Saúde.  A petição, assinada por 550 pais, pedia tratamentos de saúde gratuitos e serviços de acompanhamento para todas as vítimas, reembolso para os gastos já efetuados com tratamento e futuras pesquisas sobre o efeito de longo prazo da melamina, entre outras demandas.  "As crianças são o futuro de cada uma das famílias, e ainda mais, elas são o futuro do país", diz a petição. "Como consumidores, fomos enormemente lesados." As 22 companhias envolvidas no escândalo propuseram um plano de compensação de US$ 160 milhões. As famílias cujos filhos morreram receberiam US$29 mil, enquanto as outras receberiam entre US$4 mil e US$ 290 dependendo da gravidade do caso.

Tudo o que sabemos sobre:
melaminaleite adulteradochinasaúde

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.