Arte sobre foto de Alissa Eckert, MS; Dan Higgins, MAM/CDC/via REUTERS
Arte sobre foto de Alissa Eckert, MS; Dan Higgins, MAM/CDC/via REUTERS

Brasil registra mais de 91 mil casos de coronavírus e 6.329 mortes

Número de casos confirmados da doença passou de 85.380 para 91.589 com o acréscimo dos 6.209 novos casos registrados de quinta para esta sexta, 1º. 

André Borges e Julia Lindner, O Estado de S.Paulo

01 de maio de 2020 | 16h20

BRASÍLIA – O Ministério da Saúde informou neste 1º de maio que foram registradas 428 mortes por coronavírus e 6.209 casos da doença nas últimas 24 horas. Trata-se de um aumento de 7% no número de vítimas e pacientes em relação ao dia anterior.

Passados 45 dias desde a confirmação oficial da primeira morte por covid-19 registrada no Brasil, em 16 de março, o País chega hoje ao total de 6.329 mortes. Os casos oficialmente confirmados chegaram a 91.589 pessoas. 

O Estado de São Paulo entra no mês de maio com 2.511 mortos e 30.374 casos. Rio de Janeiro chegou a 921 mortos nesta sexta-feira e 10.166 contaminações. Pernambuco registra 603 mortos e 7.334 casos, seguido por Ceará (505 mortos e 7.879 casos), Amazonas (476 mortos e 5.723 casos) e Pará (235 mortos e 3.176 casos).

Há uma grande subnotificação de casos de óbitos e de contaminações. O governo tem evitado falar em números desde o início da pandemia da covid-19 no País, mas Estados como São Paulo já chegou a falar em um volume até nove vezes superior ao número oficial. Hoje, há 1.642 óbitos em fase de investigação sobre a causa da morte.

O número de hospitalizações causadas por crises respiratórias agudas registrado nos quatro meses deste ano teve crescimento de 506% em relação ao mesmo período de 2019, segundo informações do Ministério da Saúde. Entre 1 de janeiro e 30 de abril, foram registradas 82.312 internações devido às chamadas síndromes respiratória aguda grave (Srag). Desse total de casos, foram registrados 5.901 óbitos. O governo investiga quantas dessas mortes foram, efetivamente, causadas pela covid-19 ou por outras doenças respiratórias.

Dos 91.589 casos confirmados até agora, 47.221 estão em fase de acompanhamento médico e 38.039 pacientes se recuperaram, segundo o Ministério da Saúde.

As cidades mais afetadas têm aumentado as restrições de circulação de pessoas, na tentativa de ampliar o isolamento social. Em muitos locais, porém, como no Rio de Janeiro, por exemplo, a população tem desrespeitado as medidas e saído para as ruas.

Na quinta, o ministro da Saúde, Nelson Teich, disse que o aumento de restrições na circulação são medidas necessárias e compreensíveis, como definido pelos governos estaduais. Não é esse o entendimento do presidente Jair Bolsonaro, que tem, inclusive, culpado o isolamento social pelo aumento exponencial dos casos de mortes registrados nos últimos dias no País.

Teich esteve nesta sexta no Palácio da Alvorada para se reunir com Bolsonaro. O ministro ficou menos de uma hora com o presidente e deixou o local sem falar com a imprensa.

Receba no seu email as principais notícias do dia sobre o coronavírus

Para Entender

Coronavírus: veja o que já se sabe sobre a doença

Doença está deixando vítimas na Ásia e já foi diagnosticada em outros continentes; Organização Mundial da Saúde está em alerta para evitar epidemia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.