Países da Amazônia terão ações de saúde comuns a partir de 2007

Os ministros da Saúde e da Proteção Social dos países membros da Organização do Tratado de Cooperação Amazônica (OTCA) assinaram ontem declaração conjunta. Segundo o documento, a partir de 2007, será implantado um plano para as ações de saúde compartilhadas na região. "É preciso uma atuação conjunta. Não adianta nada, por exemplo, o Brasil combater a malária se um dos países vizinhos descuidar disso. Todos sentirão o efeito", exemplificou o ministro da Saúde brasileiro, Saraiva Felipe. O documento foi firmado durante café da manhã dos ministros durante a V Reunião de Ministros da Saúde e da Proteção Social da América do Sul, organizada pelo Ministério da Saúde. Entre as resoluções constantes no documento está a elaboração de um diagnóstico baseado nos determinantes sociais de saúde na Amazônia. Os principais temas em pauta são: desenvolvimento de ações nas áreas fronteiriças, saúde dos povos indígenas e as medidas para implementar o regulamento sanitário internacional na região. Outros eixos de discussão são vigilância e controle das doenças e saúde e ambiente, especialmente a contaminação por mercúrio. Além disso, a OTCA considera que, diante das limitações da Amazônia em questões como a infra-estrutura sanitária, por exemplo, é importante discutir a implementação do regulamento sanitário internacional. Esse regulamento contempla questões como vigilância epidemiológica, capacidade de resposta dos países diante de quaisquer eventualidades, medidas de vigilância em portos e aeroportos, entre outros. A Secretaria Permanente da OTCA foi estabelecida em Brasília, em 2003, para promover ações conjuntas para o desenvolvimento harmônico da Bacia Amazônica. Os países que a integram assumiram o compromisso de preservação do meio ambiente e uso racional dos recursos naturais da Amazônia. As informações são da Agência Saúde.

Agencia Estado,

23 de março de 2006 | 11h12

Tudo o que sabemos sobre:
notícia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.