Agência Estado
Agência Estado

Países da OMS chegam a acordo para combater tráfico de cigarros

Texto será apresentado em novembro; estima-se que comércio ilegal causa perdas de US$ 50 bilhões

Associated Press

04 de abril de 2012 | 10h01

GENEBRA - Ativistas da saúde pública consideram ter conseguido uma vitória importante nesta quarta-feira, 4, em sua luta contra o comércio ilegal de produtos cuja matéria-prima é o tabaco. Após cinco anos de negociações, 147 países membros da Organização Mundial de Saúde (OMS) chegaram a um acordo para combater o tráfico de cigarros.

 

De acordo com o grupo de assessoria legal Corporate Accountability International, as nações apresentarão o rascunho do documento durante a reunião da OMS (órgão ligado à Organização das Nações Unidas) em novembro, na Coreia do Sul. John Stewart, porta-voz da companhia, disse que o acordo é "um grande passo à frente para a saúde pública".

 

A OMS ainda deve dar mais detalhes sobre o acordo, que tem sido debatido há alguns anos. O órgão estima que o tráfico de cigarros custa aos governos a perda de cerca de US% 50 bilhões em impostos. Estima-se também que um em cada dez cigarros seja vendido ilegalmente.

 

Estados Unidos, Indonésia, Argentina e Suíça estão entre alguns dos países que não participam das negociações do tratado. A Ásia é a região que registra o maior índice de consumo de tabaco do mundo. Os americanos também ocupam uma posição elevada no ranking.

 
Tudo o que sabemos sobre:
saúdevida, cigarroOMS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.