Paleontólogos do RS encontram fósseis de predador e presa próximos

Pesquisadores creem que tecodonte e dicinodonte morreram em um mesmo evento climático

Elder Ogliari, de O Estado de S.Paulo

11 Janeiro 2011 | 18h02

PORTO ALEGRE - Os paleontólogos Sérgio Furtado Cabreira e Lucio Ribeiro da Silva, da Universidade Luterana do Brasil (Ulbra), encontraram o fóssil de um tecodonte e de um dicinodonte, predador e presa, a apenas seis metros de distância um do outro, em Paraíso do Sul, na região central do Rio Grande do Sul. Os animais viveram no período do Triássico Médio, há cerca de 238 milhões de anos.

Tecodonte é um termo que abrange os arcossauros (crocodilos, dinossauros e aves primitivas). Já o dicinodonte pertence a uma classe extinta de cordados herbívoros caracterizada por dois dentes protuberantes. Eles tinham tamanhos variados, que iam desde a dimensão de um rato até a de um bovino.

A descoberta, divulgada nesta terça-feira, 11, foi festejada pelos cientistas porque pode trazer novas informações sobre a anatomia e evolução dos dois répteis.

O fóssil do tecodonte tem esqueleto quase completo, de aproximadamente três metros de comprimento, faltando apenas o crânio. Esse animal era carnívoro, quadrúpede, leve e tinha o dicinodonte como uma de suas presas favoritas. A principal hipótese levantada pelos pesquisadores é de que ambos sucumbiram em um mesmo evento climático, provavelmente uma grande seca seguida de inundação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.