Pandemia de gripe aviária teria seis meses até vacina

Não conte com uma vacina para se proteger da gripe aviária durante os seis primeiros meses de uma pandemia. O Secretário dos Direitos Humanos e da Saúde dos EUA, Mike Leavitt, disse ontem que levaria pelo menos esse tempo para que uma vacina fosse produzida, porque o vírus está mudando e não há maneira de saber qual o tipo que pode se tornar transmissível entre humanos. Como resultado, o governo vai ter que manter estoques de vacinas contra cada tipo do vírus H5N1 que circula no globo. Uma vez que o tipo particular for identificado, levará tempo para assegurar que a vacina é segura e para produzi-la em massa, ele disse. "Se houver transmissão entre humanos e nós entrarmos numa condição de pandemia, operaremos sem vacina nos primeiros seis meses", disse Leavitt. "Nós dependeremos apenas das medidas de saúde tradicionais para contê-la e limitá-la". Leavitt disse aos repórteres ontem o que o governo dos Estados Unidos está fazendo para monitorar e se preparar para a gripe aviária. Uma declaração divulgada por ele assinalava que o vírus se espalhou de 16 para cerca de 37 países em quatro meses. O secretário disse que o governo está operando sob a hipótese de que uma ave infectada será encontrada no país na próxima estação. Enfatizou que as pessoas não devem ficar exageradamente preocupadas se um pássaro doente for encontrado. "Enquanto for uma doença de aves, não é uma crise", ele disse. Os cientistas estão preocupados com que o vírus possa sofrer uma mutação e tornar-se contagioso entre as pessoas. Por enquanto, as pessoas só foram infectadas pelo contato direto com aves doentes. Até agora, 175 pessoas foram contaminadas pelo vírus, entre as quais 98 morreram.

Agencia Estado,

14 de março de 2006 | 09h45

Tudo o que sabemos sobre:
notícia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.