Pandemia de gripe suína aproxima-se do grau máximo, diz OMS

Disseminação de casos em Austrália, Reino Unido, Chile, Japão e Espanha está levando o alerta a Fase 6

Reuters,

02 Junho 2009 | 14h53

A disseminação do vírus H1N1 na Austrália, Reino Unido, Chile, Japão e Espanha trouxe o mundo para mais perto do nível máximo de alerta de pandemia, disse um representante da Organização Mundial da Saúde (OMS) nesta terça-feira, 2.

 

Veja também:

especial Mapa: veja como a gripe está se espalhando

especialEntenda a gripe suína: perguntas e respostas 

video Infectologista esclarece cuidados que serão tomados 

mais imagens Veja galeria de fotos da gripe suína pelo mundo   

som 'Meios de transportes facilitam a propagação'

documento Folheto oficial do Ministério da Saúde 

 

"Estamos na Fase 5, mas chegando perto da Fase 6", afirmou Keiji Fukuda, diretor-geral em exercício da organização, em teleconferência com jornalistas.

 

"Há diversos países que parecem estar em transição, passando casos relacionados a viagens ao exterior para tipos de disseminação de comunidade", disse ele.

 

"Alguns desses países são países que vocês vêm acompanhando há um bom tempo, mas incluem nações como Reino Unido e Espanha na Europa, Japão na Ásia, Chile na América do Sul e também a Austrália".

De acordo com os números mais recentes da OMS, a nova gripe, conhecida também como gripe suína, já foi detectada em 64 países, e continua mais prevalente na América do Norte. Laboratórios da OMS confirmaram 19 mil infecções, sendo que 117 causaram morte.

 

 

Fukuda disse que esses números podem não mostrar o alcance total da doença, que tem afetado jovens de um modo que não é normal para a gripe comum, e que tem causado, na maioria das vezes, apenas sintomas moderados pelo mundo.

 

"Não sabemos o número total de pessoas que foram infectadas em todo o espectro", disse ele.

"Temos alguma hesitação em chamar essa infecção de moderada. O impacto futuro dessa infecção ainda precisa se revelar".

 

A OMS está trabalhando numa atualização de sua escala de pandemia de seis pontos, de forma que o ponto mais elevado reflita a gravidade da doença, e não só sua disseminação geográfica.

 

Fukuda disse que uma das ideias é acrescentar uma escala de gravidade de três pontos dentro do nível mais elevado, de forma que a fase geral do alerta possa chegar a 6 mesmo com uma doença leve, e ser ajustada de acordo com os efeitos da moléstia.

Mais conteúdo sobre:
gripe suína

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.