Valeria Gonçalves/ Estadão
Valeria Gonçalves/ Estadão
Imagem Rosely Sayão
Colunista
Rosely Sayão
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Pandemia expõe o desafio da convivência dentro das famílias

Contato próximo e forçado por muito tempo pode criar problemas, mas tem potencial de trazer benefícios

Rosely Sayão, O Estado de S.Paulo

18 de julho de 2021 | 05h00

O ficar mais em casa nestes tempos de pandemia, sem receber amigos e parentes, nos abriu os olhos para dois fatos bem interessantes no relacionamento familiar. A convivência ininterrupta, quase forçada, do grupo, e a figura do pai ao cuidar dos filhos na ausência da mãe, são fenômenos que ocorreram e ainda ocorrem com frequência em famílias que não haviam experimentado antes essas situações. Vale a pena refletir a respeito desses temas.

A intimidade pessoal é construída com muito esforço. Em tempos de máxima exposição nas redes virtuais, é difícil pensar nessa questão pois a regular revelação de si mesmo é o que costuma trazer maior audiência e visibilidade nas redes. Entretanto, não saber distinguir o que deve ser colocado em público e o que deve ser mantido na privacidade oferece sempre um grande risco de julgamento e humilhação, que comprometem a saúde afetiva da pessoa.

A maturidade é que pode proporcionar uma intimidade mais sólida, porém sempre em constante construção já que os perigos – como as citadas redes – estão sempre presentes. Já a intimidade nas relações, como a que acontece no interior da família, se constrói com a convivência. Morar junto, partilhar projetos de vida, cuidar de filhos e, muitas vezes, de pais idosos, organizar juntos o orçamento da família, tudo isso permite uma cumplicidade entre o par de adultos.

A intimidade permite a falta de cerimônia na relação, a sinceridade e a transparência, a parceria e, principalmente, confiança e colaboração mútua. Entretanto, na intimidade também surgem questões complexas. É nessa situação que os defeitos de cada um ganham grande destaque ao olhar do outro, que a falta de cerimônia pode dar espaço à falta de respeito.

Muitas famílias, que antes da pandemia mal tinham tempo de se relacionar, ganharam muito com a convivência no isolamento social. Entretanto, outras não conseguiram respeitar os limites das relações e descambaram para a violência doméstica – não só física –, que disparou em nosso País. 

É preciso olhar com cuidado para essa questão porque a intimidade no grupo familiar é o que possibilita bem-estar a todos os integrantes e ambiente salutar para o bom desenvolvimento dos mais novos.

Vejamos agora o cuidar paterno dos filhos na ausência da mãe. Nossa tradição secular de a mãe ser a maior responsável pelos filhos – quando não a única – nos levou a pensar que apenas ela sabe o jeito certo de cuidar dos filhos. Uma cena do filme "Tully" nos revela isso com clareza ímpar. Mãe de três filhos, a protagonista encontra uma maneira de sobreviver ao caos em que se transformou sua vida, mas sofre um acidente. O marido, questionado pela médica que dela cuida, informa que nunca antes ocorrera nada igual, que Tully jamais deixaria os filhos sozinhos. Imediatamente a médica replica: mas você estava com eles, não estava? Então: deixar os filhos com o pai ganhou o status de deixar os filhos sozinhos!

Um bom exemplo na diferença de reações e cuidados é quando uma criança se machuca levemente nas brincadeiras. A maioria das mães socorre imediatamente, beija a criança, embala. Boa parte dos pais vê se não foi nada grave e incentiva o filho a seguir em frente.

É preciso que a mãe aceite mais delegar essa tarefa ao pai. Já temos um grupo de pais que faz isso há tempos. Temos perdido muito com a pandemia: pais, mãe e filhos, avós e netos, grandes amigos; perdemos muita liberdade também. Por isso, é importante ter e reconhecer alguns ganhos, como o que a intimidade familiar pode trazer e o relacionamento de pais com filhos sem a interferência materna.

*É PSICÓLOGA, CONSULTORA EDUCACIONAL E AUTORA DO LIVRO EDUCAÇÃO SEM BLÁ-BLÁ-BLÁ.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.