Pandemia não pode atrasar o diagnóstico e o controle do câncer
Conteúdo Patrocinado

Pandemia não pode atrasar o diagnóstico e o controle do câncer

Campanha alerta: mesmo com as mudanças impostas pelo novo coronavírus, é preciso cuidar da saúde e não interromper nenhum tratamento

Janssen, Media Lab Estadão
Conteúdo de responsabilidade do anunciante

29 de outubro de 2020 | 15h14

As medidas de segurança para impedir a transmissão da covid-19 são necessárias e têm conseguido evitar o temido colapso do sistema de saúde no País. Mas o receio da contaminação acabou atrasando perigosamente diagnósticos, cirurgias, tratamentos e demais cuidados na rotina de quem tem câncer. 

Para se ter uma ideia do que isso pode representar no futuro, basta considerar que, em 2020, são previstos mais de 600 mil novos casos da doença no Brasil, de acordo com projeção do Instituto Nacional de Câncer (Inca).1 É preocupante, portanto, a estimativa de que mais de 50 mil diagnósticos deixaram de ser feitos entre março e maio.2  Com esse represamento, temem os especialistas que o pós-pandemia pode ser marcado por um aumento expressivo na taxa de tumores identificados em estágio mais avançado. 

Para reverter essa perspectiva, uma coalizão formada pela Janssen, empresa farmacêutica da Johnson & Johnson, e associações de pacientes e sociedades médicas lançou a campanha  #TudoBemTratar o câncer. O nome, como se vê, é uma referência ao popular #TBT, o Throwback Thursday – o movimento de publicar lembranças nas redes sociais às quintas-feiras, porém ressignificado para as segundas-feiras, dia que representa recomeços. A iniciativa uniu a Associação Brasileira de Hematologia, Hemoterapia e Terapia Celular (ABHH), a Sociedade Brasileira de Urologia (SBU), o Oncoguia, a International Myeloma Foundation (IMF), o Instituto Vencer o Câncer e o Instituto Lado a Lado pela Vida para fazer um alerta: a pandemia não pode atrasar exames de detecção de câncer, muito menos justificar a interrupção de tratamentos. 

“O cenário de incertezas causa receio e ansiedade em muitas pessoas. A prevenção da contaminação pelo vírus é extremamente importante, mas não é a única atenção que temos que ter com a nossa saúde neste momento”, reforça Fabio Lawson, diretor médico da Janssen Brasil. 

Entre as ações, a #TudoBemTratar o câncer promove publicações nas redes sociais da Janssen e demais parceiros da campanha com orientações sobre as precauções para continuar cuidando da saúde sem correr riscos. Além disso, foram desenvolvidos o Guia de Segurança para Pacientes e o Guia de Segurança para Profissionais de Saúde, publicações que destacam novas atitudes e adaptações fundamentais neste período. 

“A campanha educa, engaja e mostra que as instituições estão preparadas para receber os pacientes com toda a proteção necessária”, diz Luciana Holtz, presidente do Instituto Oncoguia. “E faz isso com leveza, algo de que estamos precisando muito hoje”, conclui. 

Acesse os guias no link: https://www.janssen.com/brasil/blog/tbt

Referências

1 Instituto Nacional de Câncer (Inca). Estimativa 2020 Incidência de Câncer no Brasil. (https://www.inca.gov.br/sites/ufu.sti.inca.local/files/media/document/estimativa-2020-incidencia-de-cancer-no-brasil.pdf)

2 Sociedades médicas apontam redução de 70% das cirurgias e que 50 mil brasileiros não receberam diagnóstico de câncer. (https://sbco.org.br/2020/05/14/sociedades-medicas-apontam-reducao-de-70-das-cirurgias-e-que-50-mil-brasileiros-nao-receberam-diagnostico-de-cancer/)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.