Pandemia no Brasil continua a ser muito preocupante, alerta OMS

Pandemia no Brasil continua a ser muito preocupante, alerta OMS

O diretor do programa de emergências da organização afirmou que o primeiro passo para controlar a covid-19 é suprimir a transmissão comunitária intensa

Mílibi Arruda, O Estado de S.Paulo

03 de agosto de 2020 | 10h59

O diretor do programa de emergências da Organização Mundial de Saúde (OMS), Michael Ryan, avaliou nesta segunda-feira, 3 que a situação do Brasil frente à covid-19 “continua a ser de muita preocupação”.

Como outros, o País ainda vive um quadro de transmissão intensa do coronavírus, que coloca o sistema de saúde pública sob pressão. “Há poucos caminhos para superar essa crise e suprimir a transmissão comunitária intensa é o primeiro passo”, explicou o diretor durante coletiva de imprensa.

Para isso, a organização aponta que os governos estaduais e federal precisam identificar e isolar casos, rastreando com quem os doentes tiveram contato. A população precisa aplicar o distanciamento social e evitar exposição individual. 

“São medidas simples, mas difíceis de serem implementadas”, afirmou Ryan sobre colocar as ações em prática de forma sustentada e consistente. “Não existe bala mágica”, disse, em referência à declaração no início da coletiva do diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, de que não há "bala de prata" contra a covid-19.

A líder técnica da resposta à pandemia, Maria Van Kerkhove, apontou que o vírus não se espalha de maneira uniforme ao mesmo tempo por todo o País, então uma estratégia possível é primeiro focar os recursos e esforços nos locais onde há maior transmissão.

 “Sabemos que no Brasil existem enormes recursos e enorme vontade de lidar com o problema”, disse Maria, que reforçou a necessidade da testagem para identificar onde está o coronavírus. Tedros acrescentou que é possível reverter a situação, mesmo em lugares que vivem surtos graves. "Nunca é tarde demais".

No último domingo, 2, a média móvel diária de mortes pela covid-19 foi de 1.011 pessoas, segundo levantamento feito pelo consórcio de veículos da imprensa, que reúne Estadão, G1, O Globo, Extra, Folha e UOL. No total, já são 2,7 milhões de casos e mais de 94 mil mortes. No ranking mundial, o Brasil é o segundo país com mais casos confirmados, ficando atrás apenas dos Estados Unidos,  segundo dados da Universidade Johns Hopkins. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.