Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Pandemia no Brasil piora, mas só 1/3 cumpre isolamento; especialistas recomendam 70%

Brasil supera marca de duas mil mortes diárias pela covid-19; SP espera reduzir em quatro milhões o total de pessoas em circulação nas ruas com medidas restritivas

Paula Felix, Roberta Paraense e Fábio Bispo, Especiais para o Estadão

18 de março de 2021 | 05h00
Atualizado 18 de março de 2021 | 09h45

SÃO PAULO, BELÉM E FLORIANÓPOLIS - Apesar do aumento de casos de covid-19, pressão nos hospitais e Estados anunciando medidas restritivas, os índices de isolamento social no Brasil ainda estão distantes dos 70% preconizados por especialistas para frear a disseminação do vírus. Segundo dados do Monitor Estadão/Inloco o índice no País estava em 34,4% nessa terça-feira, 15.  O Ceará registra o índice mais alto de isolamento, com 43%. No fim do ranking, estão Espírito Santo (31,2%), Mato Grosso do Sul (31%) e Santa Catarina (30,3%). São Paulo teve taxa de 33,5%. Na quarta-feira, 17, a média móvel de óbitos pela doença no País ultrapassou a marca de dois mil pela 1ª vez. 

No Estado de São Paulo, o índice também é monitorado pelo Sistema de Monitoramento Inteligente de São Paulo (SIMI-SP), que nesta terça apontou 44% de isolamento. A diferença está na metodologia. Enquanto os dados oficiais são baseados em sinais capturados pelas antenas de operadoras de telefonia, os analisados pelo Monitor Estadão/Inloco partem de informações obtidas diretamente de sensores presentes nos sinais de GPS e Wi-Fi de aparelhos celulares – um modelo reconhecido por entidades em computação, como a Conference on Economics and Computation e o Instituto de Engenheiros Eletricistas e Eletrônicos (IEEE), nos Estados Unidos.

Em abril e maio do ano passado, quando os dados do SIMI-SP flutuavam entre pouco mais de 45% e menos de 60%, o governo do Estado enfatizava a importância de atingir os 70% de isolamento. Agora, por mais que a medida seja recomendada, a gestão estadual não trabalha com um índice como meta, de acordo com a secretária de Estado de Desenvolvimento Econômico, Patricia Ellen.

Ela diz que as medidas da fase emergencial devem reduzir a circulação de pessoas e, consequentemente, a transmissão do vírus. “Fizemos uma estimativa e, com as mudanças do teletrabalho, vamos ter redução de até 4 milhões de pessoas circulando e melhora do isolamento.” Patricia ressalta também que a população precisa colaborar e entender que a restrição de circulação tem como objetivo evitar o colapso nos hospitais e salvar vidas.

Para o infectologista Julio Croda, pesquisador da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), que também é professor da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS) e da Escola de Saúde Pública de Yale, apenas com uma taxa de isolamento na casa dos 70% é possível reduzir o número de casos e conter a grave situação dos hospitais. 

“Fase emergencial ainda não é lockdown. Nunca chegamos a um nível de 70% de isolamento e, para evitar a transmissão rápida, só acima de 70%.” Croda explica que duas semanas de lockdown seriam suficientes para alcançar este resultado. “Só acima de 60% que tem a taxa de contágio abaixo de 1 com queda lenta e progressiva. Com 50%, não tem aceleração, mas não tem redução. É estabilidade com platô elevado.

Apesar de ordem de fechamento, Belém tem aglomeração do entorno de mercado

 No terceiro dia de lockdown em cinco municípios da região metropolitana do Pará, o movimento nas ruas era menos intenso do que em dias normais, mas ainda sim era possível ver muitas pessoas circulando nos locais públicos. Consumidores e trabalhadores se aglomeravam no entorno do mercado do Ver-o-Peso, em Belém. Já nas Avenidas Nazaré e José Malcher, duas das mais movimentadas do centro, por volta das 11h30, a movimentação de veículos estava tranquila, sem engarrafamentos, como é comum em dias sem restrições.

A partir dessa quarta, quem for flagrado nas ruas sem um motivo elencado nas atividades essenciais do decreto estadual publicado na segunda-feira fica passível de multa de R$ 150. Até terça, a fiscalização era de cunho educativo. Agora, barreiras com agentes da segurança pública foram montadas nos principais corredores de cinco cidades para tentar coibir a circulação indevida.

“Estamos retornando com a divulgação desses dados e, no primeiro dia da publicação, já em vigor o lockdown, nós tivemos o Pará como o segundo melhor isolamento social do Brasil e Belém como o melhor isolamento entre as capitais do País. Claro que ainda precisamos melhorar, ainda é muito aquém do que é desejado pelos órgãos de saúde, mas reflete justamente o efeito do lockdown”, explicou o secretário de Segurança Pública e Defesa Social do Pará, Ualame Machado.

Durante o bloqueio total das atividades, a maior dificuldade do belenense é manter o distanciamento social dentro do transporte público. Os trabalhadores precisam ficar espremidos dentro dos coletivos, para ir e voltar para casa. “É impossível não pegar o vírus dentro de um ônibus lotado. Tem pessoas que vêm na porta, penduradas. Com o calor, tiram a máscara para enxugar o suor”, lamenta a babá Antônia Silva, de 42 anos.

Comércio cobra ajuda em Santa Catarina

Em Santa Catarina, desde terça-feira, 16, os estabelecimentos comerciais não podem mais abrir entre 18h e 6h. O setor do comércio foi um dos que resistiram à adoção de medidas mais rígidas e cobrou que os fechamentos venham acompanhados de outras medidas. “Entendemos a necessidade das restrições, mas nenhuma ação será efetiva se não ocorrer vacinação e testagem em massa e, principalmente, fiscalização nas aglomerações como temos visto todos os dias”, declarou Marcos Brinhosa, presidente da Câmara de Dirigentes e Lojistas de Florianópolis.

A infectologista Carolina Cipriani Ponzi avalia que o aumento de infecções, além de levar o sistema de saúde ao colapso, contribui para aumento de mortes e as chances de o Sul do País dar origem a novas variantes do vírus. “Quanto mais os vírus se replicam, maiores são as chances de sofrer mutações. Se deixarmos o vírus se espalhar solto por aí estaremos permitindo que tenhamos uma nova variante brasileira além da P1 (cepa identificada originalmente em Manaus, que estudos já mostraram ser mais transmissível)”.

Carolina explica que por isso há a necessidade de se ampliar o distanciamento social e evitar número elevado de pessoas com o vírus ativo circulando. “Paradoxalmente, por mais que esteja na mídia todos os dias que há taxa elevada de transmissão e colapso no sistema de saúde, a gente ainda vê pessoas sem máscara na rua, ou usando no queixo, fazendo chá de bebê, festas de casamento. Se todo mundo fizesse a sua parte de distanciamento social, não seria necessária medida tão drástica como lockdown”, afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.