Papa diz que esbanjamento é inaceitável diante fome crescente

Pontífice criticou na reunião da ONU a diminuição das possibilidades econômicas da população mais pobre

Efe,

16 de novembro de 2009 | 09h42

O papa Bento XVI denunciou nesta segunda-feira, 16, o risco que representa o fato de a falta de acesso à comida ser considerada parte da realidade dos países mais pobres e afirmou que não se pode continuar aceitando a opulência e o esbanjamento "quando o drama da fome é cada vez maior". O pontífice discursou na sede da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO), no primeiro dia de uma reunião mundial sobre segurança alimentar.

 

Veja também:

linkCúpula da FAO não define metas para erradicação da fome 

 

A fome é "o sinal mais cruel e concreto da pobreza", disse Bento XVI, que afirmou que não se pode esquecer que entre os direitos fundamentais do ser humano estão o direito a uma alimentação suficiente, saudável e nutritiva e o acesso à água.

 

O papa denunciou ainda o aumento dos preços dos produtos alimentícios, a diminuição das possibilidades econômicas da população mais pobre e o acesso restrito ao mercado e aos alimentos.

Tudo o que sabemos sobre:
PapaFAOfome

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.