Para vida mais longa, comer menos é melhor que se exercitar

Segundo a 'New Scientist', essa ligação tem a ver com a insulina, que regula a quantidade de glicose no sangue

Agências Internacionais

21 de maio de 2008 | 18h28

Para viver mais, pelo menos no que diz respeito a roedores, comer menos parece ser mais eficiente que se exercitar. Segundo a revista New Scientist, essa ligação tem a ver com a insulina, que regula a quantidade de glicose no sangue.  De acordo com Derek Huffman, pesquisador da Universidade do Alabama, Estados Unidos, que estudou ratos de laboratório mantidos em diversas combinações de exercícios físicos e dietas, os animais que apresentaram as menores taxas de insulina foram os que comeram menos, mesmo que não se exercitassem.  Segundo a publicação, ainda não se sabe se os efeitos encontrados em cobaias se traduzem para humanos. "Continuem se exercitando, os benefícios dos exercícios para humanos são extraordinários", disse Huffman.

Tudo o que sabemos sobre:
ciência

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.