Paraguaios também se vacinam contra a febre amarela

País realizará vacinação em massa contra o vírus, principalmente para turistas que viajarão ao Brasil

Efe,

14 de janeiro de 2008 | 16h41

As autoridades de saúde do Paraguai confirmaram nesta segunda-feira, 14, a vacinação em massa contra a febre amarela no país, principalmente para turistas que viajarão ao Brasil.   Veja também: Especial febre amarela   O diretor do departamento de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde paraguaio, Gualberto Piñánez, disse que "é considerável a quantidade de pessoas que vêm se vacinar nos hospitais de Assunção, assim como nos de departamentos (estados) que fazem fronteira com o Brasil, como o de Alto Paraná (leste)".    Piñánez disse que apenas a variação silvestre da febre amarela é registrada "há décadas" na região, motivo pelo qual o risco de contágio em áreas urbanas é mínimo. Ele acrescentou que, por enquanto, só poderiam ser registrados casos no Paraguai de "pessoas que já contraíram a doença" no Brasil.   Segundo o diretor, os paraguaios não têm grandes riscos de contrair a febre amarela, já que os turistas do país costumam freqüentar o litoral brasileiro e não "as áreas do Brasil onde os casos (da doença) estão sendo registrados".   Piñánez lembrou que os três últimos casos de morte por febre amarela no Paraguai foram registrados em 1950.   Ele ressaltou que, no momento, a dengue oferece mais perigo aos paraguaios. Mais de 27 mil pessoas no país sofreram com a doença no início de 2007, deixando 17 mortos na época.   O diretor também falou que as pessoas que voltem ao Paraguai procedentes de países onde a dengue seja presente - como Brasil, Colômbia e Venezuela - e que apresentem sintomas da doença devem procurar imediatamente tratamento médico adequado.   O alerta sanitário foi emitido depois da morte de um técnico em informática por causa da febre amarela em Goiás e da confirmação de outros dois casos no fim de semana passado.   Além disso, um espanhol de 41 anos morreu no sábado também em Goiás após apresentar sintomas similares aos da febre amarela.   A confirmação de dois casos de febre amarela silvestre em humanos no País fez pelo mais duas nações que fazem fronteira com Brasil recomendar oficialmente, no sábado, 12, a vacinação de seus cidadãos que pretendam viajar rumo ao País. Argentina e Uruguai aconselharam a vacinação contra a febre amarela às pessoas que  devem viajar ao Brasil – um dos principais destinos dos turistas  sul-americanos em plena temporada de férias de verão.    Em Buenos Aires, capital argentina, várias pessoas tem enfrentado filas para  tomar a vacina contra a doença. Na quinta-feira, 10, pelo menos 3 mil pessoas enfrentaram mais de sete horas de fila para a imunização.   O ministério da Saúde argentino divulgou comunicado que ressalta que os turistas que embarcarem para o litoral sul brasileiro não precisam ser imunizados. No entanto, devido à grande procura, o ministério habilitou mais dois locais de vacinação na capital do país.   Em comunicado, o Ministério de Saúde Pública do Uruguai também recomendou às pessoas que vão viajar ao Brasil, em especial para áreas rurais e de selva, que se vacinem contra febre amarela com no mínimo dez dias de antecedência.        O comunicado indica, porém, que as cidades costeiras, incluindo Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Rio de Janeiro, São Paulo, Salvador, Recife e Fortaleza não são áreas com risco de transmissão.

Tudo o que sabemos sobre:
febre amarela

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.