Taba Benedicto/ Estadão
Taba Benedicto/ Estadão

Paralisia facial: conheça as causas e os tratamentos

Pouco conhecida, a de Bell afeta cerca de 40 mil pessoas por ano; maioria consegue se recuperar

Ana Lourenço, O Estado de S.Paulo

09 de abril de 2022 | 05h00

Era um sábado como outro qualquer quando a cabeleireira e comunicadora Denise Santos, de 41 anos, percebeu seu reflexo torto no espelho. “Eu senti a língua um pouco estranha, a boca dormente, e quando fui escovar os dentes achei minha boca torta. De repente não conseguia piscar os dois olhos; só um lado obedecia”, relata ela. “Corri para o hospital achando que estava tendo um AVC (Acidente Vascular Cerebral).” 

Há três meses Denise foi diagnosticada com paralisia facial periférica, conhecida como paralisia de Bell, e hoje lida com o tratamento para corrigir a assimetria do sorriso e do piscar. Apesar de não ser muito conhecida, a condição afeta cerca de 40 mil pessoas por ano no Brasil, mas é possível haver reversão na maioria dos casos. Ela ocorre por causa de uma inflamação no nervo facial que controla a contração da musculatura do rosto. 

“Todo nervo funciona como uma espécie de fio elétrico, onde ele tem um axônio, que conduz esse fio elétrico, e uma capa, que é a chamada bainha de mielina”, explica Rodrigo Meirelles Massaud, neurologista e coordenador médico do Programa Integrado de Neurologia do Hospital Israelita Albert Einstein. “Toda agressão a esse nervo leva a uma disfunção que faz com que ele pare de conduzir o impulso elétrico e, consequentemente, sua função de contrair a musculatura da face.”

Enquanto a paralisia periférica atinge o andar superior e inferior da face, a central atinge somente do nariz para baixo. “Geralmente, a central paralisa outras regiões do corpo. Chama-se central porque ela acomete o cérebro, e não o nervo periférico”, esclarece Rodrigo. Dessa forma, apesar de somente afetar visivelmente a boca (a paralisia de Bell afeta testa, olhos e boca), o tipo central é o que pode ser relacionado a um derrame. No entanto, outros sintomas estarão associados com um AVC, como a dormência de membros, dificuldade na visão e confusão mental.

CAUSAS

“As inflamações do nervo facial podem estar relacionadas a diversas causas, principalmente virais. A mais conhecida tem a ver com o vírus da herpes simples. Ele pode levar a alterações do nervo e causar paralisia facial periférica, muitas vezes sem sinal da infecção na pele”, conta o médico, acrescentando que outras viroses também podem causa paralisia. 

Estudos indicam que outros vírus, como o da herpes-zoster, que causa a catapora, do citomegalovírus (herpes) e o vírus Epstein-Barr, que causa a mononucleose, também podem estar relacionados à doença. Mas o estresse e a fadiga podem influenciar a imunidade e facilitar eventuais infecções virais – como ocorreu com Denise. “No fim do ano passado, eu comecei o meu projeto de podcast, isso além de todo o estresse e medo gerados pela pandemia. A minha imunidade caiu e na primeira semana que tirei folga, apareceram os sintomas”, conta. 

De acordo com o neurologista, do ponto de vista cientifico não há como prevenir a condição. “Mas aquele clássico recado dos nossos avós: evitar estresse, dormir bem e comer bem pode ajudar.” 

PROCESSO

Comer, sugar, falar e dormir pode ser uma batalha durante a doença. Isso porque além da dor física – especialmente no pescoço e na região paralisada – o olho afetado não fecha de maneira intuitiva. “É importante pingar colírios lubrificantes que evitam o ressecamento”, alerta Rodrigo. Ele recomenda ainda fechar a pálpebra com micropore, para evitar que o olho fique aberto durante o sono. Lavar o rosto com algodão e usar óculos escuros são outros cuidados necessários.

O tratamento inclui procedimentos com laser (que ajudam a reinervação e ativam a circulação), acupuntura, fisioterapia e medicamentos com corticoides e antivirais, que ajudam na redução da inflamação e na capacidade de o vírus se replicar. Mas o lado emocional também é importante. Denise percebeu como a condição afetou a sua autoestima, mas, depois de um mês, ela foi aceitando a ideia e até passou a falar sobre em seu podcast Nostalgicast. “Posso ter sequelas ou não, mas tenho de seguir minha vida. E as pessoas vão ter de encarar meu rosto tortinho”, brinca. 

Saiba as consequências e os detalhes da condição

AVC x Paralisia de Bell

Apesar de ambas afetarem os músculos faciais, elas são bem diferentes uma da outra. O AVC se manifesta apenas com um sorriso torto ou com dificuldade de mexer a boca. A testa e os olhos permanecem normais - o que não acontece no caso da Paralisia. Também é importante perceber outros sintomas como dificuldade no equilíbrio, na fala e no andar e confusão mental. 

Sintomas

Fraqueza dos músculos de um lado do rosto, incluindo testa e olhos. Pode ocorrer ainda desvio da boca para o lado contrário ao afetado. 

Tempo

Os sinais aparecem de maneira inesperada, porém o tempo é o maior aliado. O tratamento deve ser iniciado nas 48 horas do início dos sintomas (no máximo em 72h). Quanto mais rápido o paciente agir, menor as chances de sequelas. Mais de 80% dos pacientes apresenta recuperação completa após um ano. Ainda que tenha início súbito, ela demora de dois a três dias para estabilizar.

Fases

A condição como um todo apresenta três fases: flácida (momento inicial, com quase nenhum movimento); recuperação (quando a musculatura começa a apresentar movimentos); e sequela, quando se chega no limite do tratamento e percebe-se, ou não, movimentos involuntários e rigidez no lado afetado.

Sequelas

Devido a complexidade de funções que desempenha o nervo facial, outros sintomas podem surgir, dependendo da gravidade da lesão. Entre eles estão comprometimento do paladar, hipersensibilidade auditiva e lacrimejamento e salivação abundantes. 

Tudo o que sabemos sobre:
derrame cerebralestresse

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.