REUTERS/Anton Vaganov - 11/6/2020
REUTERS/Anton Vaganov - 11/6/2020

Paraná e Rússia assinam acordo para avançar em estudos sobre vacina contra covid-19

Instituto de Tecnologia do Paraná afirma que o Estado ainda não teve acesso a questões relacionadas à segurança e eficácia da Sputnik V e que o acordo embrionário não prevê obrigações ou contrapartidas financeiras do Paraná

Angelo Sfair, Especial para O Estado

12 de agosto de 2020 | 16h32
Atualizado 18 de agosto de 2020 | 16h22

CURITIBA -  O Governo do Paraná assinou na tarde desta quarta-feira, 12, um acordo com a Rússia para auxiliar no desenvolvimento de uma eventual vacina contra a covid-19. A partir do memorando, o Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar) deve estreitar os laços com o Instituto Gamaleia de Moscou, que lidera o desenvolvimento da Sputnik V, apresentada pelo governo russo como o primeiro antígeno capaz de combater o novo coronavírus.

Aguardada com expectativa, a parceria se mostrou, na realidade, em um estágio embrionário. Ao contrário do que se esperava, o Paraná ainda não teve acesso aos resultados dos testes clínicos realizados pela Rússia e países aliados. “A ideia do memorando é ampliar a cooperação e estabelecer uma parceria. Estamos avançando nas tratativas para transferência de tecnologia”, resumiu o governador do Paraná, Ratinho Junior (PSD).

A expectativa é de que seja formada, até a semana que vem, uma força-tarefa estadual para receber as informações repassadas pela Rússia. Posteriormente, os dados serão levados à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), vinculada ao Ministério da Saúde, responsável por validar os testes de medicamentos e vacinas em território nacional.

O diretor-presidente do Tecpar, Jorge Callado, confirmou que o Estado ainda não teve acesso a questões relacionadas à segurança e eficácia da Sputnik V. Por outro lado, destacou que, neste momento, o acordo embrionário não prevê obrigações ou contrapartidas financeiras do Paraná. Ele considerou o acordo assinado nesta quarta-feira como um “primeiríssimo passo”. Atualmente, nenhum marco regulatório sobre o antígeno está em andamento no território brasileiro. O Instituto espera dar entrada nos protocolos de testagem da vacina dentro de um prazo entre 30 e 40 dias.

Segundo Callado, o Tecpar tem mantido boas relações com a Anvisa e com o Comitê de Ética em Pesquisas. “Não faremos nada sem estar devidamente ajustado com os órgãos federais, dentro dos princípios da cautela, transparência e segurança”. 

'SEM QUEIMAR ETAPAS'

O anúncio da vacina russa pelo presidente Vladimir Putin, na última terça-feira, 11, foi recebido com desconfiança pela comunidade científica mundial. O Kremlin ainda não compartilhou os resultados dos testes da Sputnik V, o que levantou suspeitas, inclusive da Organização Mundial da Saúde (OMS). Segundo a entidade, o antígeno desenvolvido pelo Instituto Gamaleia não figura na lista de projetos de vacinas em estágio avançado.

Questionado sobre a ausência de dados transparentes sobre os testes, o presidente do Tecpar reconheceu que algumas etapas ainda precisam ser superadas. “Nós não vamos queimar etapas”, garantiu Callado. “Não vamos acelerar o processo. Vamos avançar desde que tenhamos total segurança. O tempo é uma variável importante que deve ser respeitada de acordo com os critérios técnicos”.

O Governo do Paraná apresentou o memorando assinado com o Fundo de Investimento Direto da Rússia como um projeto para troca de dados e tecnologia. Ao contrário do que havia informado no início da semana, um acordo de cooperação técnica ainda foi não desenvolvido. O Estado já assinou um pacto deste tipo com a farmacêutica Sinopahrm, da China, para a realização de testes da fase 3. De acordo com o Ministério Público do Paraná, ainda não há questionamentos formais sobre os acordos.

INCERTEZAS

A OMS afirma que não há, por enquanto, estudos clínicos que indiquem a segurança e a eficácia da vacina desenvolvida pelo Instituto Gamaleia de Moscou. A chancela internacional é de interesse do governo da Rússia, que precisa da aprovação para, eventualmente, produzir e exportar a Sputnik V em escala global.

Segundo a entidade, as informações sobre os ensaios clínicos realizados até o momento são aguardadas “nos próximos dias”. Independentemente de como avançam as tratativas russas junto à OMS, a eventual testagem, produção e distribuição de vacinas no Brasil passa pela aprovação das agências reguladoras nacionais.

Em reunião com a Frente Parlamentar de Enfrentamento ao Coronavírus da Assembleia Legislativa do Paraná, a vice-diretora geral da Organização Mundial da Saúde, Mariângela Batista Galvão Simão, explicou que cabe à Anvisa fazer a análise dos dados. “A empresa estatal russa vai ter de fornecer todos os registros dos ensaios clínicos. É claro que seria uma excelente notícia se essa vacina for eficaz e segura, mas ainda faltam alguns dados para que a gente possa dizer isso”, ponderou.

Segundo ela, 17% das vacinas que chegam à fase 3 do protocolo de estudos se mostram eficientes. Além disso, mesmo que o antígeno seja aprovado, produzido e distribuído, as pesquisas continuam. “Uma vez que chegarmos a uma vacina eficaz, outras questões entram em jogo. Por exemplo: nem todos os grupos etários respondem igualmente porque as respostas imunológicas são diferentes. Pode ser que a vacina funcione bem para jovens adultos, mas não garanta a mesma proteção para pessoas mais velhas ou com alguma doença associada”, explicou.

A Anvisa disse, em nota enviada ao Estadão, que as análises começam a partir da solicitação do laboratório farmacêutico. Por enquanto, segundo a agência, não foi apresentado nenhum pedido de autorização de protocolo de pesquisa ou de registro de antígenos.


 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.