REUTERS/Eric Gaillard/File Photo
REUTERS/Eric Gaillard/File Photo

Paraná negocia acordo com a Rússia para produzir vacina contra covid-19

Protocolo de intenções para cooperação técnica foi entregue ao embaixador russo no Brasil

Angelo Sfair, especial para O Estado

26 de julho de 2020 | 15h14

CURITIBA - O Paraná caminha para assinar um acordo de cooperação técnica com a Rússia para a produção de uma eventual vacina contra a covid-19. Assim como outras imunizações em estudo, os russos alcançaram resultados positivos nas etapas preliminares da pesquisa, que indicam a segurança e a provável reação imune que o antígeno provoca no organismo.

O embaixador da Rússia no Brasil, Sergey Akopov, deve ser reunir na primeira semana de agosto com o governador do Paraná, Ratinho Junior (PSD). A expectativa é de que o encontro sele a parceria para a produção da vacina, embora ainda não exista uma previsão para a conclusão dos estudos.

O protocolo de intenções foi entregue na sexta-feira, 24, data em que Akopov recebeu, em Brasília, o secretário-chefe da Casa Civil do Paraná, Guto Silva. “Foi uma conversa de alto nível e muito positiva. Eles (russos) estão dispostos e precisam de parceiros”, disse o secretário ao Estadão.

No encontro, o Paraná colocou à disposição o Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar), que já atua em parceria com o Ministério da Saúde. Segundo Guto Silva, caso a vacina russa contra a covid-19 seja aprovada pelos órgãos reguladores, o instituto atuaria como um polo de produção e distribuição da imunização para a América Latina.

Apesar da expectativa global por uma vacina capaz de oferecer proteção contra o novo coronavírus, especialistas ponderam que não é possível estabelecer um prazo realista para isso. A Organização Mundial da Saúde (OMS) reconhece que os testes ao redor do mundo foram acelerados devido à urgência do tema, mas considera improvável que a população seja amplamente vacinada no primeiro semestre de 2021.

Para o infectologista Renato Kfouri, atualmente existem mais perguntas do que respostas. Ele defende que seja respeitado o tempo que a ciência precisa para comprovar a eficácia e a eficiência das vacinas em estudo. Segundo ele, em um momento posterior, também será necessário discutir de que forma será feita a distribuição e quais grupos serão priorizados.

“Em nível científico, precisamos ter cautela. Alguns estudos têm sinalizado para boas respostas, mas qual será a magnitude? Qual será o nível de proteção, a tecnologia necessária e a capacidade de produção? E, eventualmente com a vacina aprovada, quem serão os primeiros a receber as doses?”, questionou o médico, que é vice-presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm). Apesar das ponderações, o infectologista diz que a troca de tecnologia e os acordos de cooperação técnica são positivos.

Para o chefe da Casa Civil do Paraná, a parceria com a Rússia também possibilitará ganhar tempo. “Independentemente de qual vacina seja a primeira a ser aprovada, vai ser uma corrida muito forte”, concluiu Guto Silva. 

Previsão orçamentária

Enquanto as vacinas contra a covid-19 continuam em estudo pelo mundo, o Paraná se prepara financeiramente para arcar com os custos de produção e distribuição. Na última semana, o Executivo enviou à Assembleia Legislativa uma proposta de emenda à Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para 2021.

O governo estadual pretende destinar R$ 100 milhões extras para a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), a fim de aumentar a capacidade financeira da pasta para a compra da eventual imunização. Na justificativa enviada ao Poder Legislativo, o governador do Paraná, Ratinho Junior, defendeu que a reserva financeira deve atender “em especial a população de maior risco, que são as pessoas acima de 60 anos”.

O projeto de emenda à LDO será analisado com urgência pela Assembleia Legislativa, segundo o presidente da Casa, deputado Ademar Traiano (PSDB). O texto depende da aprovação da Comissão de Orçamento para que possa ser pautado para discussão e votação dos deputados.

Hackers

Autoridades de segurança britânicas, americanas e canadenses acusaram um grupo de hackers ligado ao serviço de inteligência russo de tentar roubar informações sobre projetos de vacinas contra a covid-19. O Centro Nacional de Segurança Cibernética (NCSC, na sigla em inglês) do Reino Unido afirmou que os alvos eram agências de pesquisa e desenvolvimento científico no Reino Unido, nos Estados Unidos e no Canadá. Os os hackers russos teriam usado malwares e enviaram e-mails fraudulentos para tentar convencer as pessoas a entregar senhas e outras credenciais de segurança. A Rússia alegou não ter conhecimento ou envolvimento em tentativas de hackers de roubar pesquisas de vacinas contra coronavírus.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.