EFE/EPA/FRANCK ROBICHON
EFE/EPA/FRANCK ROBICHON

AO VIVO

Acompanhe notícias do coronavírus em tempo real

Passageiros liberados de cruzeiro no Japão desenvolveram sintomas do coronavírus

Ministro da Saúde japonês confirmou que pelo menos 813 ex-passageiros foram contatados por suspeita de infecção do vírus

Redação, O Estado de S.Paulo

26 de fevereiro de 2020 | 06h44

TÓQUIO - Dezenas de passageiros que receberam autorização para desembarcar de um cruzeiro em quarentena no Japão desenvolveram sintomas do novo coronavírus, incluindo febre, e devem fazer novos exames para detectar o vírus, afirmou o ministro da Saúde japonês. Ao todo, o governo contactou 813 ex-passageiros do navio Diamond Princess

Na semana passada, 970 pessoas que estavam em quarentena a bordo da embarcação foram liberadas pelos oficiais japoneses, após apresentaram resultado negativo nos exames de laboratório. Entretanto, foi determinado pouco depois que vários destes passageiros estão efetivamente contaminadas e que "45 pessoas tinham certos sintomas", de acordo com o ministro da Saúde, Katsunobu Kato.

"Pedimos a todos (aqueles que têm sintomas) que visitem um médico e façam exames", disse Kato, durante depoimento no Parlamento japonês. No último dia 20, foram confirmadas duas mortes por coronavírus entre os passageiros do Diamond Princess.

O Japão enfrenta muitas críticas pela maneira como administrou a crise de saúde gerada pelo cruzeiro, em especial depois da descoberta de que alguns passageiros autorizados a desembarcar foram posteriormente diagnosticados com o vírus.

Para Entender

Coronavírus: veja o que já se sabe sobre a doença

Doença está deixando vítimas na Ásia e já foi diagnosticada em outros continentes; Organização Mundial da Saúde está em alerta para evitar epidemia

Os passageiros autorizados a deixar o navio após quarentena de 14 dias receberam o pedido para permanecerem em casa, mas nenhuma medida formal foi imposta pelo governo japonês para restringir seus movimentos. Até o momento, as autoridades confirmaram que pelo menos dois ex-passageiros no país estavam infectados, apesar de terem apresentado resultados negativos em um primeiro momento.

Passageiros estrangeiros que inicialmente apresentaram resultado negativo também foram diagnosticados mais tarde com o vírus, na Austrália e em Hong Kong. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.