Paulistano espera até 166 dias por cirurgia na rede pública de saúde

Dados foram revelados pelos Indicadores de Referência de Bem-Estar no Município

WLADIMIR D'ANDRADE, Agência Estado

20 Janeiro 2011 | 20h05

O paulistano que precisa marcar uma consulta na rede pública de saúde tem de enfrentar, em média, uma espera de 61 dias. Se o médico pedir algum exame, o paciente volta para a fila - desta vez para aguardar, em média, mais 76 dias. E se o diagnóstico indicar a necessidade de procedimentos mais complexos ou cirurgias o tempo médio da demora então é ainda maior: 166 dias. Os dados foram revelados hoje pelos Indicadores de Referência de Bem-Estar no Município (Irbem), da Rede Nossa São Paulo, e se referem ao universo de entrevistados que utilizaram os serviços públicos de saúde da cidade em 2010.

Os dados impressionaram o frade dominicano e escritor Carlos Alberto Libânio Christo, o Frei Betto, que fez palestra no evento de divulgação dos dados. Segundo ele, a questão "é muito grave". "É uma via-crúcis uma pessoa que não tem plano de saúde ser atendida em São Paulo. A verdade é que está havendo uma progressiva privatização da saúde no Brasil. São 44 milhões de brasileiros que têm plano privado, quando saúde é um direito do cidadão e um dever do Estado", afirmou.

O tema saúde não apresentou melhora na avaliação do paulistano de 2009 para 2010 - o índice de satisfação, numa escala de 1 a 10, foi de 5,1, abaixo da média de 5,5 geral do Irbem, que aborda 25 áreas. Entre os 14 indicadores relativos à saúde, "tempo médio entre a marcação e a realização de consultas" teve média 3,4, leve decréscimo em relação à sondagem anterior, de 3,7. Já "tempo médio entre a marcação e a realização de procedimentos mais complexos (cirurgias e exames especializados)" recebeu nota 3,7. O item mais bem avaliado foi "campanhas de vacinação", com índice 7.

Os serviços mais procurados foram distribuição gratuita de medicamentos (52%), atendimento ambulatorial (56%), consultas com especialistas (36%) e atendimento de emergência (27%). A sondagem mostra ainda que a rede de saúde pública da capital paulista está próxima a quase todos os habitantes da cidade - 91% têm posto de saúde próximo à sua casa, 80% têm pronto-socorro e 77%, hospital público. Além disso, o levantamento indica que a satisfação dos usuários com a efetiva prestação dos serviços é alta: todos os 22 serviços analisados, desde atendimento ambulatorial a socorro por ambulância, ficaram acima da média do setor.

Mais conteúdo sobre:
saúde pesquisa espera SP cirurgia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.