Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Pausa nos testes da Coronavac não desmobiliza voluntários em centros do estudo em São Paulo

No Instituto Emílio Ribas, 20 pessoas quiseram se inscrever como participantes da pesquisa mesmo durante o período de suspensão

Fabiana Cambricoli, O Estado de S.Paulo

13 de novembro de 2020 | 13h02

SÃO PAULO - No primeiro dia de retomada dos testes clínicos da Coronavac em alguns centros do estudo em São Paulo, o temor de que haveria queda no número de voluntários interessados em participar não se confirmou. Ao contrário, alguns profissionais de saúde decidiram se inscrever para fazer parte da pesquisa justamente após a controversa suspensão dos testes pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Os testes foram interrompidos pela Anvisa na noite de segunda-feira, 9, após o relato do óbito de um voluntário. A agência autorizou o retorno dos testes na manhã de quarta-feira, 11, após analisar documentos que comprovaram que a morte - por suicídio - não tinha relação com o imunizante. A vacinação de participantes foi retomada na quinta, 12.

No Instituto de Infectologia Emílio Ribas, um dos principais centros da pesquisa, foram 20 novas inscrições durante os dois dias em que a pesquisa ficou pausada. Uma delas foi a da médica infectologista Denise Rodrigues, de 55 anos, que decidiu preencher o formulário de interesse na quarta-feira, 11, pouco antes de a Anvisa autorizar a retomada dos estudos

"Fiquei preocupada com essa situação de pausa porque é um estudo importante que foi interrompido por um mal-entendido. Tive receio de as pessoas ficarem com medo, falarem inverdades sobre a vacina e achei que eu, como médica, poderia dar essa contribuição para mostrar que confio em estudos sobre vacinas e nas instituições e pessoas envolvidas nessa pesquisa", disse ela.

Denise já foi convocada para comparecer ao instituto nesta sexta-feira, 13, para fazer a triagem e exames e, se cumprir todos os requisitos, tomar a primeira dose da vacina ou do placebo.

As agendas do centro tiveram que ser reorganizadas às pressas com a suspensão inesperada, conforme conta Ana Paula Rocha Veiga, coordenadora do estudo de campo da Coronavac no Emílio Ribas.

"Tomamos um susto quando a pesquisa foi suspensa, ficamos tristes porque estamos trabalhando muito para concluir logo a inclusão de todos os voluntários necessários. A agenda estava cheia, tivemos que desmarcar às pressas. Mas foi muito interessante ver muitas pessoas ligando querendo participar e se sentindo motivadas a ser voluntárias depois de toda essa situação", conta a médica

Ela diz que, até agora, não teve conhecimento de desistências no centro. "Muitos nos procuraram para saber se ia demorar a suspensão e como ficaria a situação de quem tinha data certa para tomar a segunda dose. Mas eram mais dúvidas do que inseguranças ou medo", diz.

No centro de estudo da Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto, a situação foi parecida. "Até pelo fato de os voluntários serem profissionais de saúde e saberem mais desses processos, não tivemos impacto", conta Maurício Lacerda Nogueira, coordenador do centro do interior.

No Emílio Ribas, Ana Paula conta que, além do recebimento de novos voluntários, foi retomado o atendimento dos participantes que já estavam inscritos e agendados antes da suspensão. O primeiro dia de trabalho após a Anvisa autorizar o retorno dos testes teve 53 voluntários atendidos, entre pessoas que foram tomar uma das doses do imunizante ou do placebo e aqueles que retornavam para consultas de acompanhamento.

O técnico de enfermagem João Carlos de Oliveira Souza, de 42 anos, tomou a primeira dose do produto na quinta-feira. Ele já estava inscrito antes da suspensão e disse que o episódio não afetou sua convicção em participar da pesquisa.

"Não tive nenhum receio nem pensei em desistir. Eu partilho da ideia que a gente está perdendo muito tempo com questões políticas e outras questões que não são importantes. O importante agora é salvar vidas, então me senti mais estimulado a participar e a incentivar colegas meus a participarem também", afirmou.

O Emílio Ribas já recrutou cerca de mil voluntários, mas segue precisando de mais inscritos. Para participar da pesquisa, é preciso ser profissional de saúde e maior de 18 anos. O formulário para inscrição está disponível no site da instituição. 

Desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantã, a Coronavac será testada em 13 mil voluntários no País em ao menos 16 centros espalhados pelo País. Cerca de 10 mil já foram recrutados. As primeiras análises de segurança já foram divulgadas e mostraram que o imunizante não provoca reações adversas graves. Os resultados de eficácia devem sair até o fim do ano, segundo o Butantã.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.