Adriano Machado/ Reuters
Adriano Machado/ Reuters

Pazuello quer aumentar controle sobre hospitais federais no Rio de Janeiro

Ideia é redesenhar as funções da Superintendência do ministério no Estado, para que este órgão tenha maior poder, especialmente, sobre as unidades de atendimento

Mateus Vargas, O Estado de S.Paulo

19 de junho de 2020 | 17h35

BRASÍLIA - O ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, quer aumentar o controle sobre a gestão de hospitais federais, convênios e execuções de programas do governo federal no Rio de Janeiro. A ideia é redesenhar as funções da Superintendência do ministério no Estado, para que este órgão tenha maior poder, especialmente, sobre as unidades de atendimento.

Há seis hospitais federais no Rio: Hospital Federal do Andaraí (HFA); Hospital Federal de Bonsucesso (HFB); Hospital Federal Cardoso Fontes (HFCF); Hospital Federal de Ipanema (HFI); Hospital Federal da Lagoa (HFL) e Hospital Federal dos Servidores do Estado (HFSE). A gestão destas unidades, hoje, é feita pela Secretaria de Atenção Especializada, com sede em Brasília. A ideia é que o superintendente do ministério no Rio passe a controlar estes hospitais.

Cada hospital tem diretor próprio. Por enquanto, o ministro não deve alterar o comando das unidades. Mas uma intervenção não está descartada, segundo interlocutores de Pazuello.

 

A eficiência de hospitais federais do Rio parou na Justiça durante a pandemia. Em maio, a União conseguiu suspender os efeitos de uma decisão da Justiça e evitar a substituição da direção do Hospital Federal de Bonsucesso por omissão no enfrentamento da covid-19.

O general tem agendas no Rio nesta sexta-feira, 19, e no sábado, 20. “Nesses dois dias, serão discutidas as ações necessárias para melhorar a efetividade e atendimento das estruturas federais de saúde no estado”, informou a Saúde.

 

Segundo o ministério, a ideia é mudar atribuições da Superintendência para “dar mais resolutividade na relação com o Estado e município, e adequação e produção dos hospitais e institutos federais.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.