Pediatra cogita dar alta hospitalar para bebê anencéfalo

A pediatra Márcia Beani Barcellos voltou a cogitar a possibilidade de dar alta hospitalar à Marcela de Jesus Ferreira, o bebê que nasceu em 20 de novembro com anencefalia (sem cérebro), em Patrocínio Paulista, na região de Ribeirão Preto. "Estou novamente preparando a mãe para isso, mas vai depender da família dela conseguir uma casa perto do hospital", explicou Márcia. Caso dê alta, a pediatra fará visitas diárias à menina. Isso porque, por medida de segurança, Marcela não poderia ir para a casa dos pais, num sítio que fica a 18 quilômetros da cidade, pois isso dificultaria um possível atendimento de emergência. "Se a família conseguir o que é necessário, libero a Marcela imediatamente", disse a médica. Em dezembro, Márcia cogitou a possibilidade de alta hospitalar pela primeira vez, mas a descartou após Marcela sofrer uma parada cardíaca. O bebê só saiu uma vez da Santa Casa de Patrocínio Paulista, no segundo dia de vida, para fazer exames mais detalhados em Franca. Em janeiro, a criança teve um quadro de secreção pulmonar, já curado. A família Ferreira estuda alugar uma casa na cidade. Enquanto isso, a mãe de Marcela, Cacilda Galante Ferreira, que não saiu do hospital desde o nascimento da filha, está sendo preparada para cuidar sozinha de Marcela. Além de dar banho, trocar roupas e medicar a menina, Cacilda também já sabe manipular o capacete de oxigênio, que auxilia a respiração da filha. Além do aluguel de uma casa na cidade, a família Ferreira teria que alugar tubos de oxigênio. E a Santa Casa forneceria o capacete de oxigênio.

Agencia Estado,

08 de fevereiro de 2007 | 10h10

Tudo o que sabemos sobre:
notícia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.