Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Pelo aplicativo, o auxílio para quem sofre com transtornos de ansiedade

Ferramenta Querida Ansiedade já teve 900 mil downloads, inclusive em outros países; leia a reportagem finalista do Prêmio Santander

Caroline Lima Cardoso, especial para o Estado

16 Dezembro 2017 | 04h00

A youtuber Taíssa Rubim, de 29 anos, sempre teve uma vida muito ativa, até adquirir transtorno de ansiedade após sofrer pressões no trabalho. "Por  mais que você corra uma maratona de 10 quilômetros e sinta aquele  cansaço, não é como a fadiga de uma crise de pânico", relata. Nos momentos mais difíceis, Taíssa contava com um apoio adicional: o aplicativo Querida Ansiedade, idealizado para acalmar o usuário durante as crises e promover o autoconhecimento. 

+++ Aluna da UFRN ganha Prêmio Santander Jovem Jornalista

Criada pela psicóloga Camila Wolf, de 34, a ferramenta é gratuita e está disponível para IOS e Android. Ao somar as duas plataformas, já são cerca de 900 mil downloads, com usuários no Brasil, Estados Unidos, França, Japão, Suécia, Inglaterra, Portugal e Austrália. 

+++ ONGs ajudam a amenizar falta de médicos em São Paulo

"Trazer debates sobre saúde mental é tirar a ciência da academia e aplicar no dia-a-dia", diz Camila. "Quanto mais falamos sobre o assunto, de forma clara, respeitosa e ética, mais desmistificamos a ideia de que saúde mental não é importante." 

A psicóloga lembra de uma mensagem que recebeu de uma mulher. "Ela dizia que teve síndrome do pânico em 2005 e que, naquela época em que não havia tanta informação disponível, alguns a chamavam de louca." O transtorno de ansiedade já atinge 9,3% dos brasileiros, de acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS). 

+++ Combate à intolerância religiosa pode começar pelo celular

A iniciativa digital ajudou Taíssa a superar as crises. Hoje, ela mantém um canal no YouTube com cerca de 5 mil admiradores, no qual trabalha com uma prática de caráter sinestésico para provocar sensações de relaxamento nos ouvintes, a Resposta Sensorial Autônoma do Meridiano (ASMR, na sigla em inglês). "Queria ser uma representante para os portadores de transtornos de ansiedade, queria falar para a sociedade que a doença existe", afirma a jovem. 

Taíssa integra a ampla rede de youtubers que mostram suas vidas diariamente com um objetivo: encorajar as pessoas que lidam com problemas de ansiedade, pânico e depressão para enfrentarem os desafios da vida. Muitos criadores de conteúdo para a internet trabalham por colaboração, fazendo participações especiais nos canais uns dos outros, para mostrar a importância de procurar ajuda nestes momentos difíceis.

"Os indivíduos precisam de alguém para orientá-los a manter a calma de uma forma correta, técnica e eficaz", diz a jovem. "O ASMR e aplicativos como o Querida Ansiedade conduzem, de uma forma sutil, a pessoa a entrar em um estado de calmaria, em que ocorre a redução da frequência cardíaca e assim a crise vai passando." 

Camila, a criadora do aplicativo, reitera a importância de novas ferramentas e comunidades engajadas na causa. "Acredito que qualquer iniciativa que procure dar bem-estar e aumentar a qualidade de vida das pessoas é válida", afirma a psicóloga. "Ao informar e esclarecer, estamos dando a oportunidade para que a sociedade se conheça melhor, se aceite como é e, quem sabe, parta para mudanças internas."

* FINALISTA DO 12º PRÊMIO SANTANDER JOVEM JORNALISTA, CAROLINE LIMA CARDOSO É ESTUDANTE DO IBMEC

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.