FELIPE RAU/ESTADÃO
FELIPE RAU/ESTADÃO

Pepino contaminado causa surto de infecção por salmonela nos EUA

418 pessoas foram infectadas pela doença, das quais 91 foram hospitalizadas e duas morreram, uma na Califórnia e outra no Texas

O Estado de S.Paulo

16 Setembro 2015 | 09h00

SÃO PAULO - Mais de 400 casos de infecção por salmonela foram notificados nos últimos dias nos Estados Unidos em um surto provocado por pepinos contaminados. De acordo com o Centro de Controle de Doenças (CDC, na sigla em inglês) do governo americano, 31 dos 50 Estados do país já tiveram pacientes infectados. Autoridades sanitárias anunciaram o recolhimento de lotes do alimento.

Até agora, 418 pessoas foram contaminadas, das quais 91 foram hospitalizadas e duas morreram, uma no Estado da Califórnia e uma no Texas.

Segundo o CDC, a suspeita é que o surto tenha sido causado por pepinos importados do México e comercializados nos EUA pela empresa Andrew and Williamson Fresh Produce. Em comunicado, a companhia informou que está colaborando com os órgãos sanitários e que iniciou uma investigação em todo o processo de colheita e empacotamento para descobrir a origem do problema.

A salmonela provoca infecções gastrointestinais caracterizadas por diarreia, febre e dor abdominal. Segundo Marcos Boulos, infectologista e professor da Faculdade Medicina da Universidade de São Paulo (USP), a doença é muito comum em todo o mundo e não costuma causar complicações. "Muita gente tem quadro de diarreia causado por salmonela por alguns dias e se cura sem tratamento. Apenas em casos raros pode haver complicações no intestino e ocorrência de um quadro mais grave", diz ele.

O especialista afirma que, embora muitas pessoas associem a salmonela a alimentos como o ovo e a maionese, a contaminação pode ocorrer em qualquer produto. "No caso de um vegetal, a contaminação pode ocorrer na manipulação do produto ou no uso de adubos com fezes humanas", afirma ele.

Mais conteúdo sobre:
salmonela Estados Unidos

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.