Percevejos se transformam em pesadelo à população e economia de Nova York

Além da picada, que provoca coceira intensa, moradores temem que seus lares atraiam os insetos

Efe

26 Outubro 2010 | 17h04

NOVA YORK - Os percevejos de cama se transformaram em um verdadeiro problema econômico para Nova York, que assiste ao cancelamento de reservas em hotéis e a redução de idas a cinemas, teatros, lojas e locais públicos por medo do ataque desses insetos.

Diversos locais da cidade - desde o Empire State Building até algumas das lojas mais populares da Quinta Avenida, passando pelo Lincoln Center, pelas salas de cinema da Times Square e até pelo luxuoso hotel Waldorf Astoria - estão tendo de lidar com o problema.

"Até que isso passe, prefiro não passar por Manhattan. Tudo de que preciso tenho no meu bairro, portanto, esperarei", disse à Agência Efe Teri Schnieder, uma americana que tem mais medo do custo para desinfetar seu pequeno apartamento no Brooklyn do que das picadas dos percevejos.

Além da picada, que provoca coceira intensa, os moradores de Nova York temem que seus lares atraiam os insetos, já que é difícil retirá-los, sendo necessária muitas vezes a ajuda de profissionais.

Segundo uma pesquisa do jornal Daily News, os insetos afetaram um em cada dez nova-iorquinos nos últimos meses e representam a causa principal de preocupação sanitária, pois se alimentam de sangue de humanos e outros animais e são mais ativos à noite - costumam atacar enquanto a vítima está dormindo. Isso explica por que os hotéis são os principais prejudicados por essa praga, que atinge todos os Estados Unidos e principalmente Nova York.

Nos últimos meses, também foram detectados focos de percevejos em famosas lojas de roupa, como Abercrombie & Fitch, Bloomingdale's, Victoria's Secret e Hollister, nos populares cinemas AMC da Times Square e em museus, colégios e edifícios públicos da cidade.

Todo esse transtorno levou a um grande número de cancelamentos em reservas de hotéis em Nova York, algo que preocupa o setor e as autoridades, especialmente com a aproximação dos feriados de Ação de Graças e Natal.

A prefeitura estuda como fazer com que esse problema não prejudique a imagem da cidade e o lucrativo setor turístico. Por isso, divulgou folhetos em diferentes idiomas para ajudar a prevenir, identificar e combater esses insetos.

Até que se encontre uma solução mais efetiva, algumas medidas vêm sendo tomadas, entre elas a presença de cachorros nas portas de lojas para detectar se alguém entra com percevejos. Já os hotéis divulgam informação sobre as medidas que estão tomando para garantir que estão livres dos insetos.

Os percevejos podem ser vistos nos colchões e perto da cabeceira da cama. O aspecto da picada varia, mas costuma assemelhar-se à dos mosquitos. No entanto, a coceira é mais forte e a marca fica por muito mais tempo.

Embora a agência pública responsável pelas campanhas turísticas de Nova York negue que os cancelamentos de reservas estejam diretamente relacionados com essa praga, reconhece que é um problema que merece atenção. Além disso, os comentários sobre os percevejos são constantes em fóruns de discussões na web relacionados ao setor hoteleiro.

Os responsáveis por estabelecimentos públicos se queixam do efeito que os percevejos está tendo na imagem da cidade e nos próprios negócios, enquanto os anúncios publicitários de empresas de fumigação e produtos especializados se multiplicam.

"Ter picadas de percevejos já se transformou em uma senha de identidade dos verdadeiros nova-iorquinos", disse à Efe um médico que acrescentou que, em seu escritório, são cada vez mais comuns "pessoas com muita coceira, quase sempre nas extremidades e na região do quadril".

Mais conteúdo sobre:
percevejos Nova York insetos economia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.