Perda de parceiro aumenta em 20% risco de morte, diz estudo

Análise sobre o assunto indica maior chance de problemas cardíacos nos viúvos e viúvas.

BBC Brasil, BBC

07 de dezembro de 2007 | 13h25

Pessoas de luto pela perda de um parceiro amoroso correm mais risco de morrer nos primeiros meses após a perda, aponta uma análise de diversos estudos sobre o assunto, realizada por uma universidade holandesa e publicada nesta sexta-feira.Segundo a análise, intitulada Health Outcomes of Bereavement ("O Impacto do Luto na Saúde", em tradução livre), o luto aumenta em cerca de 20% o risco de morte nos parceiros que sofreram a perda. Um estudo, por exemplo, diz que 21% dos homens têm mais chances de morrer depois da morte da esposa, enquanto que, para as viúvas, o risco seria de 17%. Liderada por Margaret Stroebe, da Universidade de Utrecht, a análise aponta que as pessoas em luto têm mais chance de terem doenças cardíacas, além de problemas psicológicos como depressão, perda de apetite e fatiga, que podem levar ao suicídio. A pesquisa, publicada na revista científica The Lancet, indica que a deterioração da saúde entre os viúvos está relacionada ao aumento no consumo de álcool e ao estresse da perda da única confidente. Já para as viúvas, as causas não são claras, mas os especialistas apontam que a solidão e o estresse psicológico causado pela perda podem ser fatores determinantes no aumento da mortalidade. "Os padrões são bem consistentes, o que nos leva a concluir que a mortalidade do luto é atribuída em grande parte ao chamado coração partido, o estresse psicológico causado pela perda", afirma o estudo. A pesquisa revela ainda que o risco de morte é maior nas primeiras semanas depois da perda do parceiro e diminui com o tempo. Os resultados da análise indicam que homens que perdem as esposas têm três vezes mais chance de cometerem suicídio. O risco não aumenta em mulheres que perderam os maridos. A revisão vai além dos casais e analisa o luto dos pais que perdem as crianças, citando um estudo realizado na Dinamarca em 2003. Segundo a pesquisa, pais e mães que perdem os filhos sofrem um aumento no risco de suicídio depois da morte da criança. O estudo revela ainda que o risco é maior quanto mais jovem o filho e particularmente alto nos 30 dias depois da morte da criança. Apesar dos riscos, os dados indicam que a maioria das pessoas consegue lidar com o luto sem a ajuda de especialistas. Para a Margaret Stroebe, "a intervenção profissional deve ser direcionada para as pessoas que correm alto risco e para os que sofrem com complicações na perda, como depressão profunda e estresse".BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.