Divulgação
Divulgação

Perguntas e respostas sobre o aneurisma

Problema levou à morte da ex-primeira-dama Marisa Letícia; o ex-deputado Eduardo Cunha diz ter a doença

Júlia Marques, O Estado de S. Paulo

08 Fevereiro 2017 | 21h36

O aneurisma, doença grave e, muitas vezes, silenciosa, ganhou atenção depois que a ex-primeira dama Marisa Letícia sofreu uma hemorragia cerebral que a levou à morte na última sexta-feira, 3. Nesta terça-feira, 7, o ex-deputado Eduardo Cunha disse, em audiência com o juiz Sergio Moro, que tem o mesmo problema.

Veja a seguir 8 perguntas e respostas sobre o aneurisma: 

O que é o aneurisma?

O aneurisma é uma dilatação nas artérias causada por um enfraquecimento nas paredes do vaso sanguíneo. O problema pode acontecer na cabeça, no pescoço, no tórax, na barriga e pelas pernas. "A parede das artérias têm de ser firmes para aguentar a pressão sanguínea. Quando há uma dilatação na parede do vaso, ocorre o aneurisma", explica o cirurgião vascular Marcelo Bellini.

Há algum sintoma associado ao aneurisma?

Nem sempre os pacientes terão algum sintoma relacionado a essa dilatação. O problema ocorre quando, ao longo do tempo, a dilatação aumenta e o vaso estoura, causando uma hemorragia que pode levar à morte.

O aneurisma está associado à genética?

Sim, o fator genético é um componente desse tipo de problema. O cigarro também pode contribuir para o enfraquecimento dos vasos sanguíneos. E, em pacientes que têm pressão alta, aumenta o risco de que o vaso estoure. 

Como descobrir um aneurisma?

Muitas vezes, o aneurisma é achado ocasionalmente. "A pessoa faz um exame da cabeça e encontra um aneurisma ou faz um exame na barriga por causa de pedra nos rins e acha um aneurisma na aorta", exemplifica o médico Marcelo Bellini. Como, em geral, o aneurisma é assintomático, só será percebido quando se rompe. 

Pessoas mais velhas correm mais risco de ter o problema?

O envelhecimento pode estar associado com o enfraquecimento na parede dos vasos sanguíneos. Portanto, pessoas acima dos 50 anos com histórico na família podem procurar um médico para fazer um exame e verificar se têm o problema.

Em caso de diagnóstico, como o aneurisma é tratado?

O problema é acompanhado pelo médico, que deve avaliar a necessidade de uma cirurgia ou não. "Se um aneurisma é pequeno, pode monitorar e, se ele não tem tamanho para ser tratado, a gente não trata. Na barriga, por exemplo, com menos de 5 cm não precisa ser operado", explica Bellini. 

Em caso de rompimento, o que pode ser feito?

Quando um aneurisma começa a se romper, o paciente pode sentir uma forte dor de cabeça ou na barriga assim que o vaso estoura. "Isso leva o paciente para o pronto-socorro e dá tempo de tratar antes da ruptura geral". 

Há diferença de gravidade entre o aneurisma cerebral e da aorta abdominal?

No caso do aneurisma da aorta abdominal, a artéria envolvida no problema é maior e, por isso, o aneurisma pode levar à morte com mais frequência. Já no caso do cerebral, a área atingida é mais delicada. 

Mais conteúdo sobre:
Marisa Letícia Eduardo Cunha Bellini

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.