Unsplash/Towfiqu Barbhuiya
Unsplash/Towfiqu Barbhuiya

Pergunte ao especialista: há cura para polineuropatia a periférica?

De acordo com neurologista Marcos Gonçalves, é preciso saber a causa da doença, que tem como sintomas comichão nas pernas e nos pés

Redação, O Estado de S.Paulo

02 de julho de 2022 | 05h00

Sofro de polineuropatia periférica, o que me causa comichão nas pernas e nos pés. Há cura para esta doença? 

Sandoval Sader, Belo Horizonte

Responde Marcus Vinícius Magno Gonçalves, neurologista e neurofisiologista do instituto NEUROVIE em Joinville, Santa Catarina

Sim e não. Para falar de cura é preciso saber a causa da doença. E as causas são diversas – alcoolismo, obesidade, sedentarismo. Até pacientes quimioterápicos podem apresentar sintomas. 

A polineuropatia periférica é um grupo grande de doenças que afetam a função e a estrutura dos nervos periféricos das pernas e braços, trazendo dor, queimação, coceira e perda de sensibilidade.

Para neuropatias que vêm da hanseníase, por exemplo, existe cura. Já para casos de diabete (de 13% a 50% dos pacientes desenvolvem a doença), o tratamento consiste em tomar remédios para aliviar sintomas – e também em mudar práticas do dia a dia. Exercícios físicos, no geral, ajudam muito a aliviar a dor, em especial atividades dentro d’água, como natação e hidroginástica. 

O acompanhamento psicológico também é uma possibilidade. A psicoterapia tem nos mostrado resultados interessantes em pacientes de polineuropatia, já que a percepção da dor é algo subjetivo. Trabalhar a cabeça também pode ajudar a aliviar os sintomas. 

Seja qual for a causa, é preciso começar o tratamento assim que se recebe o diagnóstico. Se não tratar, além da dor ir piorando a sensibilidade vai se deteriorando, podendo até levar à perda total da capacidade motora.

Também tem uma dúvida? Escreva para ana.lourenco@estadao.com ou para o Instagram @bemestarestadao

Tudo o que sabemos sobre:
alcoolismodiabetedorhanseníase

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.