Pernambuco começa a treinar agentes de saúde para combater a esquistossomose

Enchentes de junho podem ter levado caramujos transmissores para locais onde não eram encontrados

Agência Brasil

15 Julho 2010 | 11h51

BRASÍLIA - A Secretaria de Saúde de Pernambuco começou a treinar na última quarta-feira profissionais de saúde para o combate à esquistossomose. De acordo com o órgão, é possível que as enchentes de junho tenham levado caramujos transmissores da doença para locais onde antes não eram encontrados.

O objetivo do treinamento é preparar os agentes para orientar a população sobre a doença, por meio de visitas domiciliares, em postos de saúde e escolas. Agentes comunitários de saúde e agentes de controle de endemias participam do curso, que segue até esta quinta-feira, 15.

Pessoas com suspeita da doença deverão fazer exames de fezes, que identificam o verme causador da esquistossomose. Na última quarta, 500 kits para diagnóstico e tratamento da doença foram levados ao município de Palmares, um dos mais atingidos pelas chuvas. Cada kit contém material suficiente para fazer o exame de até 100 amostras, além de mil comprimidos do remédio usado no tratamento dos doentes.

Os sintomas da esquistossomose são: sensação constante de estômago cheio, perda de peso, vômito e diarreia. Pequenas feridas, acompanhadas de coceira, também denunciam a entrada do verme pela pele. Na forma crônica, a doença agride o fígado e o baço e, caso não haja tratamento, pode atingir também o coração e o cérebro.

O caramujo transmissor da esquistossomose é pequeno (do tamanho de uma moeda de 50 centavos) e tem hábitos aquáticos, sendo comumente encontrado nas margens de rios e lagoas. Em 2009, foram identificados 3.041 casos da doença apenas nas áreas consideradas endêmicas. Este ano, 200 mortes já foram confirmadas.

O Ministério da Saúde enviou esta semana para Pernambuco quatro equipes para prestar atendimento às populações dos municípios atingidos pelas chuvas. Os grupos são formados por um médico, um enfermeiro e um técnico em enfermagem.

A previsão é de que, até o fim desta semana, novas equipes voluntárias sejam enviadas ao Estado. Os grupos ficarão à disposição das autoridades de Pernambuco por 30 dias, distribuídos nos municípios de Palmares, Escada, Água Preta, Joaquim Nabuco, Amaraji e Recife.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.