Pernambuco tem mais três casos de contaminação por superbactéria

Duas mulheres e um homem estão internados em UTI; Estado soma dez infecções pela KPC

Agência Brasil

05 Novembro 2010 | 20h23

BRASÍLIA - Subiu de sete para dez o número de casos de contaminação pela superbactéria KPC (Klebsiella pneumoniae carbapenemase) em Pernambuco. São duas mulheres e um homem internados em unidade de terapia intensiva (UTI) de hospitais privados.

Os pacientes estão em estado grave, mas com os sinais vitais estáveis, segundo boletim da Secretaria da Saúde do Estado divulgado nesta sexta-feira, 5. Dos três pacientes, apenas um desenvolveu a infecção. Nos outros dois, a bactéria está incubada.

Das dez ocorrências registradas em Pernambuco, um doente morreu, um recebeu alta hospitalar e oito continuam internados.

A carbapenemase (o C da KPC) é uma enzima que confere resistência a antibióticos para alguns tipos de bactéria. Até o momento, os casos de contaminação estão restritos a pessoas hospitalizadas com baixa imunidade, como pacientes de UTIs. A KPC pode ser transmitida por contato direto ou pelo uso de objetos comuns.

Para evitar novas infecções no País, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) tornou obrigatório o uso de álcool (gel ou líquido) para assepsia nos hospitais públicos e privados. A lavagem das mãos ajuda a impedir a disseminação de micro-organismos resistentes no ambiente hospitalar.

Os estabelecimentos de saúde têm até o fim de dezembro para se adequar. Outra norma determina que a venda de antibióticos só poderá ser feita, a partir do dia 28 deste mês, com a retenção pelas farmácias ou drogarias de uma das vias da receita médica. O controle é para evitar a venda e o uso indiscriminados do medicamento.

Mais conteúdo sobre:
superbactériaKPCPernambuco

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.