Werther Santana
Piscinas terão esteiras e bicicletas subaquáticas no Hospital Samaritano Werther Santana

Personalizado e high tech, mercado de hospitais de luxo cresce em SP

Em um mês, cidade ganhou dois novos centros médicos premium: Vila Nova Star e Samaritano Paulista; Sírio e Einstein também apostam em expansão

Fabiana Cambricoli, O Estado de S. Paulo

19 de maio de 2019 | 03h00

SÃO PAULO - A crise econômica que fez muitos brasileiros perderem o plano de saúde não afetou o mercado dos hospitais privados do segmento premium. Em um mês, São Paulo ganhou dois novos centros médicos voltados para esse público: o Vila Nova Star, no Itaim-Bibi, e o Samaritano Paulista, na Bela Vista. Ao mesmo tempo, unidades já conhecidas nesse nicho, como Sírio-Libanês e Albert Einstein, investem na expansão de suas unidades dentro e fora da cidade e na compra de equipamentos mais modernos.

O maior investimento nesse segmento foi feito pela Rede D’Or São Luiz, dona do Vila Nova Star. Além da unidade paulistana, inaugurada no dia 14, o grupo abriu um hospital de luxo no Rio em 2016 e abrirá um nos mesmos moldes em Brasília, no mês que vem. “Investimos mais de R$ 1 bilhão nestas três unidades e já temos planejada uma quarta no Recife”, diz Paulo Moll, vice-presidente da rede. 

Para chamar a atenção, o hospital apostou em tecnologias inéditas no Brasil aliadas à hotelaria de luxo e a um serviço personalizado. Na parte tecnológica, foram gastos mais de R$ 20 milhões na compra de dois aparelhos de radioterapia até então inexistentes no País: o CyberKnife, equipamento com braço robótico e uma câmera que acompanha os movimentos de respiração do paciente para liberar os feixes de radiação de forma mais precisa, e a TomoTherapy, capaz de soltar feixes em uma extensão maior do corpo. 

"A intenção era construir um hospital de tamanho um pouco menor, acolhedor, mas absolutamente completo”, destaca Paulo Hoff, presidente do setor de oncologia da Rede D’Or. 

O Vila Nova Star tem cerca de cem leitos. Na parte de hotelaria, são destaques os quartos de até 60 metros quadrados, lençóis 400 fios, amenidades da marca Trousseau e cardápio assinado pelo chef francês Roland Villard, com pratos como linguado ao curry e parmentier de pato. 

O hospital também promete oferecer a cada paciente um tablet para que ele possa fazer videochamadas para o posto de enfermagem e controlar persianas, iluminação, temperatura e TV do quarto. “Traz mais conforto e autonomia ao paciente e diminui o risco de queda. Ele também pode ver a agenda do dia, resultados de exames e avaliar o atendimento da equipe. Se um profissional receber 3 estrelas ou menos, um SMS é enviado imediatamente à supervisão da enfermagem”, explica Antonio Antonietto, diretor médico do Vila Nova Star. 

Reabilitação. No Samaritano Paulista, inaugurado no dia 15 de abril, alguns quartos também chegam a 60 metros quadrados, com antessala e banheiro privativo para visitantes, e o paciente tem ainda um tablet em que pode controlar as funcionalidades do espaço. Mas o que chama a atenção na nova unidade é um moderno centro de reabilitação instalado no edifício. 

O espaço conta com duas piscinas equipadas com esteiras e bicicletas subaquáticas, aparelhos robóticos para reabilitação, salas de ginástica e um espaço de terapia ocupacional idêntico a uma residência, com móveis e eletrodomésticos, para que os pacientes com sequelas reaprendam algumas atividades. A ideia é continuar o acompanhamento do paciente mesmo após a alta. 

“Se um paciente não continuar o tratamento após a alta, ele vive sendo reinternado. Hospitais do mundo inteiro estão cada vez mais preocupados com o ciclo completo de cuidados, da prevenção à reabilitação”, diz Valter Furlan, diretor do Samaritano Paulista. O hospital recebeu investimento de R$ 340 milhões e foi aberto com cem leitos, número que deverá chegar a 163 até o fim do ano.

Com foco em cardiologia, o novo Samaritano será o primeiro hospital do Brasil a ter o equipamento Artis Pheno, que usa uma estrutura robótica para realizar cirurgias minimamente invasivas. 

Expansão. Hospitais de excelência já conhecidos também têm apostado em expansão e modernização no último ano. O Sírio-Libanês abriu em fevereiro sua primeira unidade hospitalar em Brasília e planeja inaugurar 20 centros de atenção primária em São Paulo até o final do ano para o segmento de saúde corporativa. “São unidades ambulatoriais, com médicos de atenção primária que se comunicam com especialistas através da telemedicina”, conta Paulo Chapchap, superintendente do Sírio-Libanês. 

O hospital também adquiriu há pouco mais de um ano o primeiro equipamento PET/CT digital do País, usado no diagnóstico de câncer, e deverá colocar em operação em breve dois aparelhos de última geração: o tomógrafo de dupla energia force e o equipamento de ressonância magnética 3 Tesla Vida, ambos mais potentes e rápidos. 

Em expansão, o Albert Einstein inaugurou no fim do ano passado uma clínica de atendimento ambulatorial no Alto de Pinheiros e deve abrir um centro similar ainda neste mês no Morumbi. O grupo vem ainda reformando os quartos para torná-los mais amplos e fez uma modernização em sua cozinha. “Nenhum hotel tem. Conseguimos oferecer três opções de cardápio todos os dias seguindo as limitações de cada dieta. O paciente tem a possibilidade de escolher o tipo de refeição e o horário em que ela será servida. Essas modernizações têm visado muito mais à eficiência do cuidado e à melhoria da experiência do paciente”, diz Sidney Klajner, presidente do centro médico. 

O Hospital Alemão Oswaldo Cruz também investiu no ano passado na compra de equipamentos mais modernos, como um aparelho de ressonância 3 Tesla. Na Beneficência Portuguesa, a unidade voltada para o público premium, a BP Mirante, comprou em 2018 a última geração do robô Da Vinci para cirurgias minimamente invasivas e criou um núcleo de bem-estar e práticas integrativas. 

Mercado. Para Ana Maria Malik, coordenadora do Centro de Estudos em Planejamento e Gestão de Saúde da Fundação Getulio Vargas (FGVSaúde), o mercado premium de hospitais consegue crescer mesmo em épocas de crise porque esse é o nicho menos afetado pela conjuntura. “São pessoas menos propícias a perder o emprego ou que podem pagar seu próprio plano de saúde. Além disso, temos de lembrar que São Paulo atrai pacientes de outros Estados e até de outros países.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Hotelaria inclui um cardápio de cinco-estrelas e TV 65 polegadas URL da matéria

Nas novas UTIs é permitido até que o acompanhante fique 24 horas com o paciente durante a internação

Fabiana Cambricoli, O Estado de S. Paulo

19 de maio de 2019 | 03h00

SÃO PAULO - Cardápio com quatro opções de entrada, três de prato principal e cinco de sobremesa. TVs de 65 polegadas no quarto e na sala de visitas. Roupa de cama e de banho e kit de amenities (amenidades) da marca Trousseau. As comodidades oferecidas nos melhores quartos do Vila Nova Star se igualam às de muitos hotéis cinco-estrelas. 

Para Paulo Hoff, presidente da Oncologia D’Or, os serviços de luxo, porém, não têm apenas a função de aumentar o conforto dos pacientes, mas também de ajudar no tratamento. “Não foi só trazer um cardápio de um chef. As dietas líquidas e pastosas indicadas para alguns pacientes também foram pensadas para que fossem apropriadas nutricionalmente e também tivessem um apelo gastronômico, pois acreditamos que isso também ajuda na recuperação do paciente”, diz. 

Humanização. Tanto no Vila Nova Star quanto no Samaritano Paulista, os leitos de UTI são alocados em boxes individuais, a maioria com banheiros privativos, para dar mais conforto e privacidade aos pacientes e acompanhantes, mesmo em momentos críticos do tratamento. 

As duas UTIs permite ainda que o acompanhante permaneça 24 horas por dia com o paciente durante a internação. “Isso reduz bastante a ansiedade porque ninguém está acostumado com uma UTI”, afirma Hoff.

Tudo o que sabemos sobre:
hospital

Encontrou algum erro? Entre em contato

Novas unidades de saúde premium atraem médicos renomados URL da matéria

Profissionais de renome trocam de emprego após ofertas de novos centros high tech de São Paulo

Fabiana Cambricoli, O Estado de S. Paulo

19 de maio de 2019 | 03h00

SÃO PAULO - A ampliação da rede de hospitais do segmento premium agitou também o mercado médico em São Paulo. 

O renomado especialista Paulo Hoff, hoje presidente da Oncologia D’Or, deixou o Hospital Sírio-Libanês em 2017 para assumir o novo posto. Professor titular de Oncologia Clínica da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), Hoff ganhou notoriedade há alguns anos ao integrar a equipe que tratou no Sírio de políticos como o ex-vice-presidente da República José de Alencar e o ex-presidente Lula. 

Com a chegada de Hoff à Rede D’Or, o grupo abriu, além dos hospitais de luxo no Rio de Janeiro e em São Paulo, uma clínica de oncologia para o segmento premium, batizada de Onco Star, no Itaim-Bibi. 

Outro que deixou o Sírio-Libanês para reforçar a equipe do Vila Nova Star foi o médico Antonio Antonietto, diretor-médico da nova unidade. No Sírio, onde ficou por mais de oito anos, ele ocupava a diretoria de governança clínica. 

Na área de anatomia patológica, a Rede D’Or conseguiu trazer, também em 2017, o especialista Fernando Soares, que atuou por 20 anos no A. C. Camargo Cancer Center como diretor do Departamento de Anatomia Patológica, conforme consta no Currículo Lattes. Na nova empresa, Soares ocupa o cargo de diretor médico desse setor.

Tudo o que sabemos sobre:
hospitalplano de saúde

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.