Pesquisa confirma que beber demais gera problemas cardíacos

'Os aspectos mais preocupantes são em mulheres. Foi um efeito diretamente tóxico', disse líder do trabalho

Reuters

15 de maio de 2008 | 16h39

Beber demais causa pressão alta, artérias e músculos cardíacos enrijecidos em homens e corações aumentados em mulheres, aumentando o risco de ataques cardíacos e enfartes, disseram pesquisadores na quarta-feira, 14. Eles definiram como "beber demais" tomar mais de 21 drinques por semana para homens e 14 para mulheres.  "Nós definitivamente vemos efeitos prejudiciais", disse Dr. Azra Mahmud do Hospital St. James em Dublin, que apresentou seus achados em um encontro da Sociedade Americana de Hipertensão em Nova Orleans.  "Os aspectos mais preocupantes são em mulheres. Foi um efeito diretamente tóxico", disse Mahmud. "Basicamente, as mulheres não conseguem lidar com o alto consumo de álcool. Ele vai direto para o coração e o agride." Uma vez que o coração fica aumentado - um sinal de que foi sobrecarregado - é difícil que se possa reverter a situação. Mahmud disse que estudos anteriores sugeriram que pessoas com corações aumentados são de cinco a seis vezes mais vulneráveis a ataques cardíacos.  Já foi mostrado por diversos estudos que beber moderadamente trás benefícios para o coração, mas beber excessivamente anula esses benefícios, causando problemas, ela disse.  Em seu estudo, Mahmud e seus colegas procuraram por mudanças estruturais do coração e das artérias de pessoas em risco de pressão alta.  Três categorias Mahmud estudou 200 homens e mulheres com média de idade de 46 anos de sua clínica de hipertensão, mas que não estavam sendo tratados.  As pessoas no estudo foram colocadas em três categorias: os que não bebem, os que bebem moderadamente e os que bebem demais.  Cerca de 20% das mulheres e 40% dos homens caíram na categoria dos que bebem demais, disse.

Tudo o que sabemos sobre:
problemas cardíacosálcool

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.