Pesquisador diz ter identificado selo da rainha Jezebel

A Bíblia descreve Jezebel como uma mulher que buscava manipular o marido para controlar o reino

Carlos Orsi, do estadao.com.br,

24 de outubro de 2007 | 15h16

Um estudioso de Velho Testamento da Universidade de Utrecht, na Holanda, afirma ter determinado que um selo do século 9 a.C., descoberto em 1964, em Israel, pertenceu à rainha Jezebel, citada como vilã em textos bíblicos. A base para  a conclusão, anunciada pelo pesquisador Mario Korpel, são os símbolos que aparecem na peça arqueológica. Seus argumentos estão publicado no periódico Journal for Semitics.   Quando descoberto, o selo já havia sido atribuído à rainha, por conter o nome "yzbl" em hebraico antigo. Jezebel, ou Isabel, é descrita na Bíblia como a esposa fenícia - e, por conseqüência, estrangeira e pagã - do rei Ahab, ou Acabe. Mas, como o nome estava soletrado de forma errada, e o selo pessoal poderia ter pertencido a outra mulher do mesmo nome, a questão permaneceu em aberto.   Agora, baseando-se em uma análise mais cuidadosa dos símbolos que aparecem no selo, Korpel acredita ser possível demonstrar que o selo realmente pertenceu à rainha.   Segundo ele, o selo não traz apenas o nome de uma mulher, mas símbolos que designam uma pessoa de família real. Quanto ao suposto erro no nome, Korpel diz que comparações com peças semelhantes mostram que o selo se quebrou na parte superior, eliminando duas letras que soletrariam o nome "Jezebel" corretamente.   A Bíblia descreve Jezebel como uma mulher que buscava manipular o marido para controlar os assuntos do reino, inclusive valendo-se do selo do rei para forjar documentos (I Reis 21).   Em Reis I e II, ela afasta o rei Ahab de Javé, levando-o a adorar Baal. Confrontada pelo profeta Elias, a rainha acaba sendo jogada de uma janela para morrer, e seu corpo é devorado por cães (II Reis 9, 32): "No pedaço do campo de Jizreel os cães comerão a carne de Jezebel".

Tudo o que sabemos sobre:
arqueologiahistóriabíblia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.