Pesquisadores descobrem novo gene ligado a câncer de mama

Mais um gene parece estar ligado aos riscos de desenvolver câncer de mama. Pesquisadores do Reino Unido descobriram que indivíduos que herdam uma cópia defeituosa do gene chamado PALB2 têm duas vezes mais risco de ter a doença. A equipe, que publica o estudo na edição desta semana da "Nature Genetics", chegou à conclusão após avaliar 923 pessoas com câncer de mama e histórico da doença na família sem relação com os dois mais conhecidos genes ligados à moléstia - o BRCA1 e o BRCA2. Os cientistas procuraram possíveis mutações no PALB2 tanto nesses pacientes como em 1.084 pessoas saudáveis. Eles encontraram falhas no funcionamento do gene apenas no primeiro grupo, em 9 mulheres e 1 homem. O grupo controle não apresentou o problema. A diferença, bem maior do que seria esperado encontrar em uma busca aleatória, indica que o PALB2 está ligado a alguns casos de câncer de mama e mostra que carregar uma cópia defeituosa do gene mais que dobra o risco de uma mulher desenvolver a doença e eleva seu risco de morte de um em nove, para um em cinco. ?Estimamos que defeitos neste gene podem contribuir para cerca de cem casos de câncer de mama por ano no Reino Unido?, afirma Nazneen Rahman, do Instituto de Pesquisa de Câncer, que liderou o estudo. O pesquisador acredita ainda que mutações no PALB2 podem estar ligadas aos casos raros de câncer de mama em homens, mas ainda são necessários mais estudos para confirmar a hipótese. Um segundo estudo publicado na mesma revista sugere também que mutações nas duas cópias deste gene podem ser estar relacionados à ocorrência de anemia Fanconi em crianças. A síndrome é responsável por uma série de defeitos de nascimento, como falha na medula óssea, crescimento retardado e predisposição a câncer.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.