Pesquisadores transformam pele humana em células do fígado

Cientista diz que tecnologia contorna questões éticas criadas pelo uso de células embrionárias

REUTERS, REUTERS

25 de agosto de 2010 | 17h45

Cientistas britânicos criaram células do fígado em laboratório, pela primeira vez, a partir da reprogramação de células-tronco retiradas da pele humana, abrindo caminho para possíveis novos tratamentos para doenças hepáticas.

 

Veja também:

link Casa Branca vai insistir para liberar financiamento de células-tronco

 

Pesquisadores da Universidade Cambridge descrevem seus resultados no periódico Journal of Clinical Investigation, e dizem que sua descoberta pode evitar os problemas éticos trazidos por células-tronco extraídas de embriões humanos.

 

"Esta tecnologia contorna a necessidade de usar embriões", disse Tamir Rashid, do laboratório de medicina regenerativa de Cambridge. "As células criadas são tão boas quanto seriam se tivéssemos usado células-tronco embrionárias".

 

Para realizar o estudo, a equipe de Rashid retirou amostras da pele de sete pacientes que sofrem de problemas hepáticos hereditários, e de três pessoas saudáveis.

 

Eles reprogramaram as células da pele para criar células-tronco de pluripotência induzida (iPS), que então foram programadas para gerar células hepáticas que imitavam as doenças dos pacientes de quem haviam sido extraídas.

 

A mesma técnica foi usada para criar células hepáticas saudáveis a partir da pele dos voluntários sem doença do fígado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.