Pesquisas mostram por que o H5N1 não se propaga entre pessoas

Cientistas descobriram por que a gripe aviária ainda não é contagiosa entre humanos, ao contrário da gripe comum. Dois estudos divulgados ontem mostraram que o vírus H5N1 se aloja na região mais profunda dos pulmões da pessoa infectada, o que impede que seja expelido numa tosse ou num espirro. Para contaminar uma pessoa, os vírus precisam ter a "chave" para entrar em células específicas. Dentro delas, eles se multiplicam e infectam outras células. O H5N1 tem a "chave" apenas das células dos alvéolos, que são pequenos sacos na parte mais profunda dos pulmões, nas extremidades dos bronquíolos, onde são feitas as trocas gasosas entre o ar respirado e o sangue. No caso da gripe comum, os vírus têm a "chave" que abre as células da parte superior do sistema respiratório - alojam-se na boca, no nariz e na garganta, por exemplo. Quando o doente tosse ou espirra, milhões de vírus são expelidos e facilmente infectam outras pessoas. Um dos estudos, liderado pela Universidade de Wisconsin-Madison, dos EUA, foi publicado na revista Nature. A outra pesquisa, conduzida pelo Centro Médico Erasmus, da Holanda, saiu na Science. No primeiro estudo, os experimentos foram feitos em tecidos humanos. No segundo, em gatos e furões. O contágio entre humanos é difícil, mas não impossível, segundo o infectologista José Cerbino Neto, da Fundação Oswaldo Cruz, do Rio. "A transmissão é menos provável. Num contato muito próximo, porém, ela pode ocorrer", diz. Até o momento, foram registradas oficialmente 184 infecções e 103 mortes pelo H5N1. Ele pode levar à morte porque as pessoas não têm imunidade. Nas gripes comuns, apesar das constantes mutações dos vírus, as pessoas já têm imunidades parciais. Os cientistas temem que o H5N1 sofra mutações que lhe dêem a perigosa capacidade de se instalar também na mucosa do nariz ou da boca. A transmissão de uma pessoa para outra poderia provocar a disseminação descontrolada da doença pelo mundo. Faixa de Gaza O H5N1 chegou à Faixa de Gaza, no Oriente Médio. O vírus da gripe foi encontrado em frangos de granja no sul do território palestino, perto da fronteira com Israel. Um laboratório israelense confirmou ontem a cepa do vírus. A China, que era acusada de esconder dados sobre a doença, liberou amostras do vírus para a OMS. Na Albânia, o H5N1 foi encontrado em uma galinha na região central do país.

Agencia Estado,

23 de março de 2006 | 12h17

Tudo o que sabemos sobre:
notícia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.