Paco Santamaría / EFE
Paco Santamaría / EFE

Petrobrás e Firjan estudam teste de covid-19 que reduz custo em 85% e amplia em 10 vezes alcance

Valor poderá chegar até R$ 13 contra R$ 90 dos atuais testes, do tipo RT-PCR, de alta precisão e considerado padrão ouro

Denise Luna, O Estado de S.Paulo

07 de maio de 2020 | 15h47

RIO - Petrobrás e Firjan Senai estão pesquisando em parceria uma nova metodologia de testes para identificar a contaminação do novo coronavírus, com potencial de aumentar em até 10 vezes a capacidade de análise e reduzir em 85% os custos. Os atuais testes, do tipo RT-PCR, de alta precisão e considerado padrão ouro, custam em média R$ 90, ao passo que, com a nova abordagem, o valor poderá chegar até R$ 13, informa a Petrobrás em nota.

"A inovação é na metodologia de realização das testagens. A nova abordagem vai acelerar o protocolo de testes RT-PCR, pois permite a avaliação em pool, e não individual, da presença do vírus”, disse um dos líderes do projeto na Petrobrás, Rubens Akamine. 

A nova metodologia, batizada de “pooling multiplex”, prevê a análise, em tempo real, das amostras para detecção da Covid-19 num mesmo grupo de pessoas - de uma mesma empresa, por exemplo. Com esse formato, o laboratório ainda otimiza a quantidade de reagentes químicos nos ensaios - de três para apenas um - e aumenta a escala das testagens, barateando o processo.  Outro ganho é o melhor aproveitamento da infraestrutura de laboratórios.

"Para se ter uma ideia, uma máquina de testes RT-PCR consegue fazer 1.500 testagens por dia, ao passo que a nova abordagem permitirá a realização de até 15 mil testes diariamente", explica a Petrobrás em nota, observando que essa estimativa é conservadora, com possibilidade de aumentar em até 24 vezes o número de testes.

A expectativa é de que os novos testes sejam implementados nos próximos meses e a intenção é tornar viável os testes em massa no País, informa a Petrobrás.

“O Brasil enfrenta dois problemas: a demanda por testes supera a capacidade de execução e os preços são muito altos. Com o multiplex, o ganho em escala será muito maior. Nosso objetivo é reduzir a dependência à importação e ajudar a virar o jogo no combate à pandemia”, disse o líder de produção das esteiras técnicas da frente científica de combate ao coronavírus na Petrobrás, André Concatto.

O aumento de casos de Covid-19 na Petrobrás tem trazido preocupação aos trabalhadores da empresa, com os números de contaminados subindo diariamente, principalmente nos que têm acesso a plataformas de exploração e produção offshore. Segundo o Ministério de Minas e Energia (MME), até segunda-feira já eram 806 os contaminados pelo coronavírus na estatal, entre empregados e terceirizados.

A nova metodologia será aberta, para poder ser aplicada em outros laboratórios no País e no mundo. “Nossa expectativa é replicar essa abordagem para viabilizar as testagens em massa. A inovação é aberta. A intenção é que os fornecedores de insumos ajustem os kits com este novo método e adaptem suas linhas de produção”, complementou Concatto.

A metodologia RT-PCR - considerada padrão ouro pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para detecção do vírus SARS-CoV2 - requer que uma amostra seja testada em três diferentes reações para validação dos resultados. Além de o protocolo ser relativamente longo, a disponibilidade de insumos no mercado está limitada em todo o  mundo. 

"A ideia visa otimizar protocolos, combinando as três reações, de maneira que os testes individuais sejam realizados apenas após a detecção de um positivo neste grupo de amostras”, explica o pesquisador-chefe do Instituto Senai de Inovação em Química Verde, Antonio Fidalgo.

TIRE SUAS DÚVIDAS SOBRE O CORONAVÍRUS

Por que o surto de coronavírus começou na China?

Não tenho carteira de trabalho e quero receber o auxílio emergencial. O que eu faço?

Qual é o efeito do coronavírus no corpo?

Coronavírus: quais os riscos para gestantes, lactantes e recém-nascidos?

Como diferenciar coronavírus e alergias

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.