PF e Anvisa fazem operação contra comércio ilegal de botox

Investigações iniciadas há nove meses apuraram que o produto entra de maneira clandestina no país e é vendido para médicos de diversas cidades

Agência Brasil,

03 de abril de 2012 | 16h40

 A Polícia Federal (PF) faz nesta terça-feira, 3, em conjunto com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), operação de combate à comercialização ilegal de toxina botulínica (botox). Estão sendo cumpridos 23 mandados judiciais contra empresas distribuidoras em oito estados: São Paulo, Pernambuco, Minas Gerais, na Paraíba, em Alagoas, no Piauí, Rio Grande do Norte e em Sergipe.

As investigações da Operação Narke, iniciadas há nove meses, apuraram que o produto entra de maneira clandestina no país e é vendido para médicos de diversas cidades. A circulação ilegal ocorre há pelo menos cinco anos.

A toxina botulínica, além da aplicação estética, é utilizada de forma terapêutica, inclusive para tratamento de disfunções neurológicas e motoras. No mercado ilícito, a toxina é vendida por preços que variam entre R$ 350,00 e 400,00 a unidade, enquanto o exemplar autorizado pode chegar a R$1.000,00 cada.

Os envolvidos responderão por crimes contra a saúde pública, considerados hediondos, contrabando e formação de quadrilha. As penas máximas são de 15, três e quatro anos de reclusão, respectivamente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.