Pfizer entrega 2º lote com mais de 1,2 milhão de doses de vacinas da covid para crianças

Imunização da faixa etária entre cinco e onze anos no Brasil começou na sexta-feira; recebimento de remessas da farmacêutica americana ocorrerá até março

Iander Porcella - O Estado de S.Paulo

Ver mais

BRASÍLIA - O Brasil recebeu neste domingo, 16, o segundo lote de vacinas pediátricas da Pfizer contra a covid-19. De acordo com a farmacêutica americana, a remessa enviada contém 1,248 milhão de doses de imunizantes para crianças de 5 a 11 anos. Diversos Estados e o Distrito Federal iniciaram neste fim de semana a vacinação infantil.

Segundo a Pfizer, o lote chegou ao Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas (SP), por volta das 9h. O voo com os imunizantes partiu de Amsterdã. O primeiro lote de vacinas pediátricas da farmacêutica contra a covid-19 chegou ao Brasil na quinta-feira, 13. A remessa também continha 1,2 milhão de doses.

Continua após a publicidade

Fortaleza levou palhaços e balões para o centro de vacinação Foto: Prefeitura de Fortaleza

A previsão é que o Brasil receba em janeiro um total de 4,3 milhões de doses da vacina. Em fevereiro, devem ser entregues mais 7,2 milhões, e em março, 8,4 milhões. Durante o primeiro trimestre, está prevista a chegada de quase 20 milhões de doses pediátricas, destinadas ao público-alvo de 20,5 milhões de crianças.

Após receber 16,3 mil doses da vacina, o Distrito Federal iniciou neste domingo, 16, a imunização infantil contra a covid-19. Crianças com 11 anos ou de 5 a 10 anos com comorbidades e deficiências permanentes estão sendo imunizadas em 11 pontos da unidade da federação. De acordo com a Secretaria de Saúde, foram distribuídas hoje 10 mil doses.

Pelo mundo

Imunizante da Pfizer é o mais usado no exterior

Nota: *Vacinação obrigatória

Fonte: Agências

Na sexta-feira, 14, em cerimônia do governo de São Paulo no Hospital das Clínicas, o governador João Doria (PSDB) imunizou a primeira criança entre 5 e 11 anos contra o coronavírus no País: o menino indígena Davi, de 8 anos, da etnia Xavante. O local do evento foi o mesmo onde a enfermeira Mônica Calazans recebeu, em 17 de janeiro de 2021, a primeira dose de vacina contra covid no Brasil. Ela foi imunizada com a Coronavac, produzida pelo Instituto Butantan, ligado ao Executivo paulista, em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac.

Estados como Rio, Santa Catarina, Amapá, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Pará, Paraíba, Pernambuco, Rio Grande do Norte e Sergipe, por sua vez, começaram a imunização de crianças neste sábado, 15.

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, tem sido criticado pela demora no início da vacinação infantil. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou a aplicação das doses pediátricas em 16 de dezembro, mas o ministério liberou a imunização apenas em 5 de janeiro, sem exigência de prescrição médica, como havia sido considerado por Queiroga.

Neste sábado, 15, em João Pessoa, o ministro afirmou que não é "despachante" do órgão regulador. "Quantos medicamentos, dispositivos ou produtos têm registro na Anvisa e não fazem parte das políticas públicas? O ministro da Saúde não é um despachante de decisão de Anvisa nem de agência nenhuma", disse Queiroga. "O Ministério da Saúde é quem conduz a política pública e o ministro da Saúde é a principal autoridade do sistema de saúde no Brasil."

A declaração de Queiroga ocorreu após um embate travado nos últimos dias entre o presidente Jair Bolsonaro, crítico da vacinação infantil contra a covid-19, e o diretor-presidente da Anvisa, Antonio Barra Torres.

Durante um evento no Palácio do Planalto na quarta-feira, 12, Bolsonaro tentou minimizar o atrito com a agência. Depois de ter rebatido uma carta de Barra Torres dirigida a ele, o presidente disse que não "brigou" com o contra-almirante da reserva, mas apenas o questionou sobre a recomendação para que crianças de 5 a 11 anos fossem vacinadas.

"Aqui não é um quartel, mas devemos ao máximo zelar pela hierarquia e disciplina, senão não funciona. Não briguei com o presidente da Anvisa, apenas questionei sobre um assunto que tinha que ser questionado. Somente eu e ele. De repente está na imprensa", afirmou o chefe do Executivo.

Na segunda-feira, 10, dois dias após ser cobrado publicamente para que se retratasse dos ataques à Anvisa, Bolsonaro havia dito ter ficado surpreso com o que chamou de "carta agressiva" de Barra Torres. O presidente afirmou não ter acusado o almirante de corrupção e mudou o tom das insinuações, mas voltou a levantar dúvidas sobre as "intenções" da agência ao recomendar a vacinação infantil.

"Me surpreendi com a carta dele. Carta agressiva, não tinha motivo para aquilo. Eu falei: 'O que está por trás do que a Anvisa vem fazendo?' Ninguém acusou ninguém de corrupção. Por enquanto, não tenho o que fazer no tocante a isso aí", disse Bolsonaro, em entrevista à Rádio Jovem Pan.

No sábado passado, 8, Barra Torres havia cobrado uma retratação pública de Bolsonaro, dois dias após o presidente questionar os "interesses" de integrantes da Anvisa, ao reclamar do aval à vacinação infantil. "Se o senhor não possui tais informações ou indícios, exerça a grandeza que o seu cargo demanda e, pelo Deus que o senhor tanto cita, se retrate", escreveu o militar da reserva da Marinha, ao desafiar o presidente a apontar indícios de corrupção contra ele.

A declaração de Queiroga ocorreu após embate travado nos últimos dias entre o presidente Jair Bolsonaro, crítico da vacinação infantil contra a covid-19, e o diretor-presidente da Anvisa, Antonio Barra Torres.

Em evento no Palácio do Planalto na quarta-feira, 12, Bolsonaro tentou minimizar o atrito com a agência. Depois de ter rebatido uma carta de Barra Torres dirigida a ele, o presidente disse que não "brigou" com o contra-almirante da reserva, mas apenas o questionou sobre a recomendação para que crianças de 5 a 11 anos fossem vacinadas.

"Aqui não é um quartel, mas devemos ao máximo zelar pela hierarquia e disciplina, senão não funciona. Não briguei com o presidente da Anvisa, apenas questionei sobre um assunto que tinha que ser questionado. Somente eu e ele. De repente está na imprensa", afirmou o chefe do Executivo.

Na segunda-feira, 10, dois dias após ser cobrado publicamente para que se retratasse dos ataques à Anvisa, Bolsonaro havia dito ter ficado surpreso com o que chamou de "carta agressiva" de Barra Torres. O presidente afirmou não ter acusado o almirante de corrupção e mudou o tom das insinuações, mas voltou a levantar dúvidas sobre as "intenções" da agência ao recomendar a vacinação infantil.

"Me surpreendi com a carta dele. Carta agressiva, não tinha motivo para aquilo. Eu falei: 'O que está por trás do que a Anvisa vem fazendo?' Ninguém acusou ninguém de corrupção. Por enquanto, não tenho o que fazer no tocante a isso aí", disse Bolsonaro, em entrevista à Rádio Jovem Pan.

No sábado passado, 8, Barra Torres havia cobrado uma retratação pública de Bolsonaro, dois dias após o presidente questionar os "interesses" de integrantes da Anvisa, ao reclamar do aval à vacinação infantil. "Se o senhor não possui tais informações ou indícios, exerça a grandeza que o seu cargo demanda e, pelo Deus que o senhor tanto cita, se retrate", escreveu o militar da reserva da Marinha, ao desafiar o presidente a apontar indícios de corrupção contra ele.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Pfizer entrega 2º lote com mais de 1,2 milhão de doses de vacinas da covid para crianças

Imunização da faixa etária entre cinco e onze anos no Brasil começou na sexta-feira; recebimento de remessas da farmacêutica americana ocorrerá até março

Iander Porcella - O Estado de S.Paulo

Ver mais

BRASÍLIA - O Brasil recebeu neste domingo, 16, o segundo lote de vacinas pediátricas da Pfizer contra a covid-19. De acordo com a farmacêutica americana, a remessa enviada contém 1,248 milhão de doses de imunizantes para crianças de 5 a 11 anos. Diversos Estados e o Distrito Federal iniciaram neste fim de semana a vacinação infantil.

Segundo a Pfizer, o lote chegou ao Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas (SP), por volta das 9h. O voo com os imunizantes partiu de Amsterdã. O primeiro lote de vacinas pediátricas da farmacêutica contra a covid-19 chegou ao Brasil na quinta-feira, 13. A remessa também continha 1,2 milhão de doses.

Continua após a publicidade

Fortaleza levou palhaços e balões para o centro de vacinação Foto: Prefeitura de Fortaleza

A previsão é que o Brasil receba em janeiro um total de 4,3 milhões de doses da vacina. Em fevereiro, devem ser entregues mais 7,2 milhões, e em março, 8,4 milhões. Durante o primeiro trimestre, está prevista a chegada de quase 20 milhões de doses pediátricas, destinadas ao público-alvo de 20,5 milhões de crianças.

Após receber 16,3 mil doses da vacina, o Distrito Federal iniciou neste domingo, 16, a imunização infantil contra a covid-19. Crianças com 11 anos ou de 5 a 10 anos com comorbidades e deficiências permanentes estão sendo imunizadas em 11 pontos da unidade da federação. De acordo com a Secretaria de Saúde, foram distribuídas hoje 10 mil doses.

Pelo mundo

Imunizante da Pfizer é o mais usado no exterior

Nota: *Vacinação obrigatória

Fonte: Agências

Na sexta-feira, 14, em cerimônia do governo de São Paulo no Hospital das Clínicas, o governador João Doria (PSDB) imunizou a primeira criança entre 5 e 11 anos contra o coronavírus no País: o menino indígena Davi, de 8 anos, da etnia Xavante. O local do evento foi o mesmo onde a enfermeira Mônica Calazans recebeu, em 17 de janeiro de 2021, a primeira dose de vacina contra covid no Brasil. Ela foi imunizada com a Coronavac, produzida pelo Instituto Butantan, ligado ao Executivo paulista, em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac.

Estados como Rio, Santa Catarina, Amapá, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Pará, Paraíba, Pernambuco, Rio Grande do Norte e Sergipe, por sua vez, começaram a imunização de crianças neste sábado, 15.

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, tem sido criticado pela demora no início da vacinação infantil. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou a aplicação das doses pediátricas em 16 de dezembro, mas o ministério liberou a imunização apenas em 5 de janeiro, sem exigência de prescrição médica, como havia sido considerado por Queiroga.

Neste sábado, 15, em João Pessoa, o ministro afirmou que não é "despachante" do órgão regulador. "Quantos medicamentos, dispositivos ou produtos têm registro na Anvisa e não fazem parte das políticas públicas? O ministro da Saúde não é um despachante de decisão de Anvisa nem de agência nenhuma", disse Queiroga. "O Ministério da Saúde é quem conduz a política pública e o ministro da Saúde é a principal autoridade do sistema de saúde no Brasil."

A declaração de Queiroga ocorreu após um embate travado nos últimos dias entre o presidente Jair Bolsonaro, crítico da vacinação infantil contra a covid-19, e o diretor-presidente da Anvisa, Antonio Barra Torres.

Durante um evento no Palácio do Planalto na quarta-feira, 12, Bolsonaro tentou minimizar o atrito com a agência. Depois de ter rebatido uma carta de Barra Torres dirigida a ele, o presidente disse que não "brigou" com o contra-almirante da reserva, mas apenas o questionou sobre a recomendação para que crianças de 5 a 11 anos fossem vacinadas.

"Aqui não é um quartel, mas devemos ao máximo zelar pela hierarquia e disciplina, senão não funciona. Não briguei com o presidente da Anvisa, apenas questionei sobre um assunto que tinha que ser questionado. Somente eu e ele. De repente está na imprensa", afirmou o chefe do Executivo.

Na segunda-feira, 10, dois dias após ser cobrado publicamente para que se retratasse dos ataques à Anvisa, Bolsonaro havia dito ter ficado surpreso com o que chamou de "carta agressiva" de Barra Torres. O presidente afirmou não ter acusado o almirante de corrupção e mudou o tom das insinuações, mas voltou a levantar dúvidas sobre as "intenções" da agência ao recomendar a vacinação infantil.

"Me surpreendi com a carta dele. Carta agressiva, não tinha motivo para aquilo. Eu falei: 'O que está por trás do que a Anvisa vem fazendo?' Ninguém acusou ninguém de corrupção. Por enquanto, não tenho o que fazer no tocante a isso aí", disse Bolsonaro, em entrevista à Rádio Jovem Pan.

No sábado passado, 8, Barra Torres havia cobrado uma retratação pública de Bolsonaro, dois dias após o presidente questionar os "interesses" de integrantes da Anvisa, ao reclamar do aval à vacinação infantil. "Se o senhor não possui tais informações ou indícios, exerça a grandeza que o seu cargo demanda e, pelo Deus que o senhor tanto cita, se retrate", escreveu o militar da reserva da Marinha, ao desafiar o presidente a apontar indícios de corrupção contra ele.

A declaração de Queiroga ocorreu após embate travado nos últimos dias entre o presidente Jair Bolsonaro, crítico da vacinação infantil contra a covid-19, e o diretor-presidente da Anvisa, Antonio Barra Torres.

Em evento no Palácio do Planalto na quarta-feira, 12, Bolsonaro tentou minimizar o atrito com a agência. Depois de ter rebatido uma carta de Barra Torres dirigida a ele, o presidente disse que não "brigou" com o contra-almirante da reserva, mas apenas o questionou sobre a recomendação para que crianças de 5 a 11 anos fossem vacinadas.

"Aqui não é um quartel, mas devemos ao máximo zelar pela hierarquia e disciplina, senão não funciona. Não briguei com o presidente da Anvisa, apenas questionei sobre um assunto que tinha que ser questionado. Somente eu e ele. De repente está na imprensa", afirmou o chefe do Executivo.

Na segunda-feira, 10, dois dias após ser cobrado publicamente para que se retratasse dos ataques à Anvisa, Bolsonaro havia dito ter ficado surpreso com o que chamou de "carta agressiva" de Barra Torres. O presidente afirmou não ter acusado o almirante de corrupção e mudou o tom das insinuações, mas voltou a levantar dúvidas sobre as "intenções" da agência ao recomendar a vacinação infantil.

"Me surpreendi com a carta dele. Carta agressiva, não tinha motivo para aquilo. Eu falei: 'O que está por trás do que a Anvisa vem fazendo?' Ninguém acusou ninguém de corrupção. Por enquanto, não tenho o que fazer no tocante a isso aí", disse Bolsonaro, em entrevista à Rádio Jovem Pan.

No sábado passado, 8, Barra Torres havia cobrado uma retratação pública de Bolsonaro, dois dias após o presidente questionar os "interesses" de integrantes da Anvisa, ao reclamar do aval à vacinação infantil. "Se o senhor não possui tais informações ou indícios, exerça a grandeza que o seu cargo demanda e, pelo Deus que o senhor tanto cita, se retrate", escreveu o militar da reserva da Marinha, ao desafiar o presidente a apontar indícios de corrupção contra ele.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Atualizamos nossa política de cookies

Ao utilizar nossos serviços, você aceita a política de monitoramento de cookies.