Celso Junior
Celso Junior

Piracicaba solta 100 mil 'Aedes' transgênicos em bairro

Medida foi liberada pelo Ministério Público Estadual após prefeitura assinar termo garantindo outras estratégias de combate ao mosquito

José Maria Tomazela, O Estado de S. Paulo

30 Abril 2015 | 13h33

SOROCABA - Os primeiros 100 mil exemplares do mosquito Aedes aegypti geneticamente modificado foram soltos na manhã desta quinta-feira, 30, no bairro Cecap, em Piracicaba, interior de São Paulo. A expectativa é de que esses insetos, todos machos, funcionem como uma nova arma contra a dengue na cidade. Ao cruzar com a fêmea, o mosquito transgênico vai gerar filhotes incapazes de atingirem a idade reprodutiva. 

O projeto resulta de parceria entre a prefeitura e a empresa Oxitec, detentora da tecnologia do Aedes transgênico. Cerca 800 mil mosquitos serão soltos no primeiro mês e a quantidade será reduzida gradativamente nos meses seguintes, à medida que diminuir a população do mosquito. A expectativa é de que, em dez meses, a quantidade do Aedes seja mínima, de forma a não haver transmissão da dengue.

A soltura chegou a ser vetada pelo Ministério Público Estadual, mas foi liberada depois que a prefeitura assinou um termo se comprometendo a manter as demais medidas de prevenção e combate ao mosquito transmissor. Uma campanha de esclarecimento foi realizada no bairro, onde vivem 5 mil pessoas. 

De acordo com a Oxitec, uma pesquisa indicou que 88,5% da população de Piracicaba aprova o uso do inseto transgênico. A cidade de 370 mil habitantes registrou este ano 1,1 mil casos da doença. O município está investindo R$ 150 mil no projeto piloto - o primeiro no Estado. Outras cidades, como Limeira, que convive com epidemia de dengue, já estudam o uso do Aedes transgênico. 

Mais conteúdo sobre:
dengue Aedes aegypti saúde

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.