Governo de SP
Governo de SP

Planalto chama de 'ato midiático' cobrança do governo de SP sobre lote extra da Coronavac

Em nota, governo federal diz que ato da gestão Doria 'promove a desinformação, a divisão e a politização da saúde pública do povo brasileiro'

Luci Ribeiro, O Estado de S.Paulo

28 de janeiro de 2021 | 09h53

BRASÍLIA - Em mais um capítulo da disputa política entre o governo de Jair Bolsonaro e o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), o Palácio do Planalto reagiu às declarações do Instituto Butantan de que, se a União não sinalizar até o fim desta semana que vai adquirir um lote de 54 milhões de doses da vacina Coronavac, o instituto vai exportar os imunizantes.

Em nota assinada pela Secretaria Especial de Comunicação Social (Secom) e o Ministério da Saúde, o governo federal diz que "o ato midiático" do governo de São Paulo "promove a desinformação, a divisão e a politização da saúde pública do povo brasileiro". O documento destaca ainda que as afirmações do governo Doria e do Butantan "são improcedentes, incoerentes, desconectadas da realidade e desprovidas de qualquer amparo legal". A nota foi distribuída à imprensa na noite dessa quarta-feira, 27. 

O presidente do Butantan, Dimas Covas, vem cobrando publicamente a equipe do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, por uma resposta sobre esse lote adicional da vacina. O contrato do Butantan com o ministério prevê que a instituição paulista forneceria 46 milhões de doses da vacina ao Sistema Único de Saúde (SUS), que as repassaria a todos as unidades da Federação. Esse repasse ocorreria de forma escalonada entre janeiro e abril. Após esse período, não há garantia de novos repasses. Essas 54 milhões de doses, portanto, seriam de um segundo lote de produção da vacina pelo Butantan, fabricadas a partir de insumos importados da China.

Covas insiste que precisa da resposta do ministério porque já há negociações com os países vizinhos, e citou a Argentina como possível destinatária dos imunizantes. O governador João Doria (PSDB) disse que era "inacreditável que, diante de uma pandemia em um País que precisa de vacinas para salvar vidas, tenhamos o distanciamento (...) e esta resposta não é dada. Precisamos de mais vacinas."

O ministério alega que está dentro do prazo contratual para se manifestar sobre a compra do lote extra e diz que o contrato estabelece que o pedido de mais doses poderia ser feito até o mês de maio. O Butantan não contesta as informações, mas afirma que "enviou ofício (ao Ministério) para que possa planejar logisticamente a sua produção com a devida antecedência".

A pasta de Pazuello confirma na nota que recebeu o ofício, que tem, segundo o ministério, somente a solicitação para que a União avalie a possibilidade de antecipar sua manifestação sobre a opção de compra das doses adicionais. "O contratante Ministério da Saúde informa que irá analisar essa solicitação encaminhada pela Contratada Fundação Butantan, o que ainda está dentro do prazo legal previsto no contrato", cita a nota.

Por fim, o documento do Planalto diz que "o governo federal está empenhado, junto com os demais governadores, em combater a covid-19, garantindo a vacinação a todo brasileiro".

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.