Plano da ONU quer melhorar 'previsão do tempo' do espaço

O Sol está entrando em uma fase de atividade mais intensa que deve chegar ao ápice em 2013

REUTERS

08 de junho de 2011 | 15h34

 

 

Um plano da Organização das Nações Unidas (ONU) para melhorar a "previsão do tempo" do espaço pode ajudar o mundo a lidar melhor com tempestades solares que podem causar estragos de até 2 trilhões de dólares se o Sol repetir a gigantesca explosão de 1859, disseram especialistas.  

 

Veja também:

link Telescópio mostra onda solar do tamanho dos EUA

O Sol está entrando em uma fase de atividade mais intensa que deve chegar ao ápice em 2013, num ciclo de cerca de 11 anos, afirmou a Organização Mundial de Meteorologia (WMO, na sigla em inglês). Redes de energia, controle de tráfego aéreo, comunicações e satélites podem ser danificados pelas tempestades solares.

"Estamos cada vez mais sendo impactados pelo clima espacial", disse à Reuters a diretora do programa de acompanhamento do tempo no espaço da WMO, Barbara Ryan. Ela afirmou que é necessário coordenar as previsões e melhorar alertas de tempestades futuras.

"Nenhum país tem recursos suficientes sozinho... precisamos de observações a partir de todo o globo", disse ela. "Um protocolo comum de alerta é uma questão que precisamos resolver nos próximos anos" para limitar os impactos.

Tempestades geomagnéticas no Sol levam entre meio dia e cinco dias para alcançarem a Terra depois que surgem. A China sozinha tem 20 estações de monitoramento em terra acompanhando a atmosfera, a ionosfera mais alta e o sol.

Os 189 membros da WMO vão promover uma conferência entre 16 de maio e 3 de junho para melhorar a coordenação internacional no acompanhamento do clima no espaço, trabalhando em conjunto com o Serviço Internacional de Ambiente Espacial e com a Organização Mundial de Aviação Civil.

Entre os objetivos dos países está "melhorar os alertas para importantes áreas de aplicação, incluindo aviação", afirmou a WMO.

Alertas antecipados podem ajudar os países a redirecionarem rotas aéreas para evitar passagens pelos polos, desligarem equipamentos de energia desnecessários ou trocar frequências de algumas transmissões. No longo prazo, a pesquisa pode melhorar os sistemas de proteção de equipamentos vulneráveis às tempestades solares.

Uma supertempestade solar em 1o de setembro de 1859, que recebeu o nome do astrônomo britânico Richard Carrington que a observou, causou incêndios em empresas de telégrafos e produziu uma aurora tão intensa que as pessoas conseguiram ler jornais com seu brilho durante a noite, disse a agência espacial norte-americana Nasa.

US$2 TRILHÕES

A economia atual é muito mais vulnerável ao clima solar que a de 1859. Um relatório da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos estimou que uma tempestade similar do Sol poderia causar danos entre 1 trilhão e 2 trilhões de dólares e exigir 4 a 10 anos de recuperação, disse Nasa.

Uma tempestade solar em 2003 causou redirecionamento de voos por rotas polares mais vulneráveis, fez operadoras de energia dos EUA reduzirem atividade de usinas nucleares e danificou transformadores na África do Sul, disse Jack Hayes, do serviço de meteorologia dos EUA, em congresso em Genebra.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.