Pobreza e fumo podem aumentar casos de câncer

Doença matará 27 milhões em 2050 e é a 2ª maior causa de morte no mundo, diz especialista americana

EFE

21 de dezembro de 2007 | 01h28

Especialistas americanos apontaram na quinta-feira, 20, que a pobreza e os elevados índices de tabagismo serão as principais causas de câncer nos próximos anos nos países em desenvolvimento.   Segundo a médica Nancy Davidson, da Universidade Johns Hopkins, nos EUA, a esperança de vida das pessoas é cada vez maior, porém isso faz com que as pessoas adotem mais hábitos nocivos, entre eles, fumar, uma atividade que provocará o aumento do número de casos de câncer.   Nancy aponta ainda que o câncer, que pode matar 27 milhões de pessoas até 2050, é a segunda maior causa de morte no mundo, à frente da aids, da malária e da tuberculose, perdendo somente para doenças cardiovasculares. "O câncer causa 10% das mortes", explicou a médica, que também é presidente da Sociedade Americana de Oncologia Clínica.   A especialista citou um relatório publicado na segunda-feira pela Sociedade do Câncer dos Estados Unidos. O estudo afirma que a doença terá matado 7,6 milhões de pessoas no mundo todo ao fim deste ano. Cerca de 5 milhões dessas mortes seriam previstas em países em desenvolvimento.   "Haverá 12 milhões de casos novos diagnosticados de câncer no mundo todo em 2007. Em 2050, o número chegará a 27 milhões", disse Lynn Ries, do Instituto Nacional do Câncer dos Estados Unidos, durante uma conferência telefônica.   Dos 12 milhões de casos novos, 5,4 milhões serão de habitantes de países em desenvolvimento, estimou. "Segundo as estimativas da Organização Mundial da Saúde, o número de mortes relacionadas como fumo vai passar dos 4,9 milhões do ano 2000 para mais de 10 milhões em 2020, a não ser que tomemos medidas efetivas para conter esse avanço", comentou Lawrence.

Tudo o que sabemos sobre:
Pobreza, fumo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.