SSP-AM/Divulgação
SSP-AM/Divulgação

Polícia prende 71 pessoas por desobediência a 'toque de recolher' em Manaus

Decreto na capital amazonense que proíbe a circulação de pessoas das 19h às 6h; medida foi tomada após explosão de casos de covid-19

Thaise Rocha, especial para o Estado

22 de janeiro de 2021 | 17h22

MANAUS - A polícia prendeu 71 pessoas na noite dessa quinta-feira, 21, em bares clandestinos e em estabelecimentos localizados no bairro Jorge Teixeira, zona leste de Manaus. As detenções ocorreram durante a "Operação pela Vida" de fiscalização das ruas da capital amazonense para assegurar o cumprimento do decreto que proíbe a circulação de pessoas das 19h às 6h. A medida precisou ser tomada após a grave crise de saúde ocasionada pela segunda onda da covid-19 no Estado.

De acordo com o titular do 30º DIP, delegado Torquato Mozer, durante os dias de jogos do Campeonato Brasileiro, bares da região estavam funcionando de forma clandestina e com as portas fechadas para não chamar atenção. Os policiais identificaram os estabelecimentos após denúncias.

Clientes e proprietários dos estabelecimentos foram detidos e encaminhados para Central de Flagrantes onde assinaram o Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO) por desobediência e foram liberados em seguida.

'Toque de recolher' se estende até o fim de janeiro

O  governador do Amazonas, Wilson Lima, prorrogou o decreto que restringe a circulação de pessoas e o não funcionamento das atividades não essenciais até o fim de janeiro. As limitações se encerrariam no último dia 17, mas o prazo foi ampliado até 31 de janeiro.

O Estado sofre com a crise sanitária ocasionada pelo crescimento explosivo de casos de coronavírus e a falta de insumos, como oxigênio, para o tratamento dos infectados. Até essa quinta, o Amazonas totalizava 241.182 casos da doença e 6.757 mortos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.