Polícia transfere médica do Paraná para Penitenciária Feminina

Advogado diz que transferência é represália à forma como a defesa da médica vem agindo no caso

Julio Cesar Lima,

27 de fevereiro de 2013 | 21h07

CURITIBA (PR) - A médica Virgínia Soares de Souza, acusada de homicídio qualificado pela suspeita de ordenar a antecipação de mortes de pacientes na UTI do Hospital Evangélico, em Curitiba (PR), e que estava presa no Centro de Triagem, em Curitiba (PR), foi transferida no início da noite desta quarta-feira (27), para a Penitenciária Feminina de Piraquara, na Região Metropolitana de Curitiba, sob ordem da cúpula de segurança do estado.

Ela estava detida desde o dia 19 deste mês. A transferência de Virgínia, aconteceu no mesmo dia em que o advogado de defesa, Elias Mattar Assad, requereu um "habeas corpus" de sua cliente junto ao Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR).

Segundo Assad, essa transferência é uma represália à forma como a defesa de Virgínia vem agindo no caso, e é ilegal. "O que estão fazendo, não dando acesso às informações, beira o fascismo. Além disso, Virgínia é uma pessoa com nível superior e precisaria estar em uma condição especial, conforme a lei", afirmou. A polícia não se pronunciou.

Tudo o que sabemos sobre:
EutanásiaHospital Evangélico

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.