Pólio sob suspeita
Conteúdo Estadão Blue Studio

Pólio sob suspeita

O vírus está longe de ser erradicado no mundo; no Brasil, baixa cobertura vacinal recente pode abrir flancos para a doença

Estadão Blue Studio, O Estado de S.Paulo

20 de maio de 2022 | 07h30

Por mais que o último caso de paralisia infantil tenha sido registrado no Brasil em 1989, não significa que o vírus que pode deixar sequelas graves nas pessoas esteja totalmente eliminado do território nacional. O que vem mantendo a situação totalmente sob controle é a vacinação, principalmente de crianças recém-nascidas.

Com a baixa imunização contra pólio nos últimos anos, somada a um certo esquecimento da doença por uma geração de mães e pais sem muitas referências da enfermidade, o sinal de alerta está ligado. E em uma frequência alta, segundo os especialistas.

O fato de o Brasil ainda ter condições de saneamento precárias em boa parte do seu território faz com que uma eventual entrada do vírus nessas regiões possa ser bastante crítica. A saída continua sendo uma só. A vacinação em massa, mesmo de adultos que estão descobertos pela imunização.

Conteúdo produzido pelo estadão blue studio, a área de conteúdo customizado do estadão

Tudo o que sabemos sobre:
saneamentovírusmedicina

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.