Valéria Gonçalvez/AE
Valéria Gonçalvez/AE

Poluição causa 70% das internações por doença respiratória em SP

Segundo estudo, mudanças climáticas pela expansão da metrópole a deixam mais vulnerável

Agência Brasil

15 Junho 2010 | 14h47

SÃO PAULO - A poluição e as mudanças climáticas na capital paulista são responsáveis por cerca de 70% das internações por doenças respiratórias. Essa é uma das conclusões do relatório Vulnerabilidades das Megacidades Brasileiras às Mudanças Climáticas: Região Metropolitana de São Paulo, elaborado por pesquisadores do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

 

O estudo revela que as mudanças climáticas causadas pelo modelo de expansão da metrópole, aliadas à alterações no clima global, estão deixando a cidade cada vez mais vulnerável a desastres, como enchentes e deslizamentos, além de afetar de diversas maneiras a saúde da população.

 

Grandes temporais, por exemplo, com uma intensidade de mais de 50 milímetros em um único dia, eram praticamente inexistentes na década de 50 do século passado. No entanto, segundo a pesquisa, atualmente chuvas como essas ocorrem comumente em até cinco períodos do ano.

 

Entre as causas desses eventos, a pesquisadora do Núcleo de População da Unicamp, Andrea Young, cita o modelo de ocupação utilizado na Grande São Paulo. Ela lembra que, há 50 anos, o perfil da cidade era diferente do de hoje.

 

"Sem vegetação nenhuma, tudo impermeabilizado e com a contribuição de materiais extremamente quentes, que retêm muito calor e que depois emitem [calor]. Então a cidade vai ficando cada vez mais quente", explica.

 

Apesar dos problemas relacionados ao modo de crescimento de São Paulo já serem aparentes, a pesquisadora ressalta que a capital paulista continua a se desenvolver de maneira predatória. Por isso, o estudo detectou uma tendência de exacerbação de fenômenos climáticos extremos e de desastres.

 

A previsão é que 20% do que a cidade crescer até 2030 será área suscetível a acidentes naturais provocados pela chuva, e aproximadamente 11,17% dessas ocupações poderão ser afetadas por deslizamentos.

 

Pelas projeções do estudo, a mancha urbana da metrópole paulistana será o dobro da atual em 20 anos. O aumento deverá ocorrer "principalmente na periferia, em loteamentos e construções irregulares, e em áreas frágeis, como várzeas e terrenos instáveis, com grande pressão sobre os recursos naturais".

 

Segundo a pesquisadora, isso acarreta outros riscos para o futuro da metrópole, como até uma eventual escassez de água, devido à destruição dos mananciais e à impossibilidade de recarga dos lençóis freáticos com a impermeabilização do solo.

 

"Uma coisa que preocupa é o abastecimento de água, porque São Paulo já está pensando em buscar água mais distante do que a Bacia do [Rio] Piracicaba e do [Rio] Tietê. Então imagina se essa região dobrar de tamanho, como faria para abastecer? Ainda mais em um momento de onda de calor", afirma Andrea.

Mais conteúdo sobre:
poluição São Paulo Inpe Unicamp

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.