Science/Divulgação
Science/Divulgação

Poluição do Rio Hudson em NY faz com que peixes evoluam

Altos nívels de PCB provocaram mutação na população de 'Microgadus tomcod', que passou a resistir aos poluentes

Agência Fapesp,

18 Fevereiro 2011 | 10h17

SÃO PAULO - Durante três décadas, de 1947 a 1976, duas fábricas de uma multinacional norte-americana jogaram um total estimado de 600 mil quilos de bifenilas policloradas (PCB), compostos considerados alguns dos poluentes com maior biotoxicidade, no rio Hudson, em Nova York.

 

O resultado foi o acúmulo do composto cancerígeno em um peixe local, o Microgadus tomcod, da família do bacalhau, em níveis nunca vistos em populações naturais. O surpreendente é que o peixe não desapareceu da área afetada, mas se proliferou a ponto de hoje ser encontrado em grandes populações.

 

O motivo é que o excesso de PCB induziu a um tipo de mutação que levou o peixe a evoluir para poder resistir à grande quantidade de toxinas presente na água, segundo um estudo publicado nesta sexta-feira, 18, no site da revista Science.

 

Esse tipo de resposta já era conhecida em insetos, que desenvolvem resistência a certos pesticidas, e em bactérias, que passam a resistir a antibióticos. "Mas essa é a primeira demonstração de um mecanismo de resistência em uma população de vertebrados", disse Isaac Wirgin, do Departamento de Medicina Ambiental da Escola de Medicina da Universidade de Nova York, que liderou o estudo.

 

Como Wirgin e seus colegas sabiam que o receptor de arilhidrocarbono (AHR2) regula os efeitos tóxicos do PCB em peixes, eles analisaram exemplares do M. tomcod para observar de que forma o receptor havia sido afetado.

 

O grupo verificou que esses peixes do rio Hudson e de áreas próximas tinham quatro mutações distintas no gene AHR2 que não eram comuns em outras populações da mesma espécie em áreas não contaminadas.

 

Segundo os pesquisadores, essas mutações parecem prejudicar a capacidade do AHR2 se ligar a certas substâncias tóxicas presentes na água.

 

Os cientistas sugerem que os peixes no rio Hudson passaram por uma rápida evolução, alterando o AHR2 em um período curto de tempo, de modo a desenvolver resistência aos PCBs que infestaram seu habitat.

 

Embora o peixe tenha superado a poluição no rio, o resultado não foi tão bom para seus predadores ou para o homem. "O M. tomcod sobreviveu, mas ele ainda acumula PCB em seu corpo e passa a substância para qualquer outro que o coma", disse Mark Hahm, da Instituição Oceanográfica Woods Hole, outro autor do estudo. Ou seja, apesar de o peixe ter resistido e proliferado, a pesca está fora de questão.

Mais conteúdo sobre:
mutaçãopoluição

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.